Autora de “como matar o seu marido” condenada a prisão perpétua por matar o marido

A mulher agora com 71 anos, cometeu homicídio para receber o valor do seguro de saúde do marido, na quantia de 1,4 milhões de euros.

Um tribunal do Estado norte-americano de Oregon condenou a prisão perpétua por homicídio a autora do ensaio “como matar o seu marido”, que escreveu anos antes de matar, ela mesma, o homem com quem era casada.

Nancy Crampton Brophy, de 71 anos, foi condenada no mês passado, por matar Daniel Brophy em 2018, após 26 anos de casamento, e receber o seguro de vida que estava em nome do marido, no valor de 1,5 milhões de dólares (1,4 milhões de euros).

O homem era chef de cozinha e um prestigiado professor no Instituto de Culinária de Oregon. Foi encontrado em junho de 2018 depois de ter sido atingido por dois tiros.

Em “como matar o seu marido”, Nancy descreve várias formas de matar o marido, desde armas de fogo até veneno e diz que “é mais fácil desejar que pessoas morram do que realmente matá-las”. A mulher escreveu também os romances de suspense “O marido errado” e “O amante errado”.

O casal passava por dificuldades financeiras e o prémio do seguro de vida de Daniel terá convencido a mulher a cometer o homicídio. A sentença de prisão perpétua deixa em aberto a possibilidade de a mulher sair em liberdade condicional daqui a 25 anos.

Recomendadas

Mario Draghi deixa cimeira da NATO para tentar resolver tensões no governo italiano

O primeiro-ministro italiano deixou a cimeira da NATO em Madrid para regressar a Roma e presidir quinta-feira a uma reunião do Conselho de Ministros em pleno clima de tensão política.

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.
Comentários