Autoridade da Concorrência não se opõe à compra da Ferro pela Pigments Spain

“Os compromissos apresentados incluem o desinvestimento, a favor de um terceiro operador, dos ativos adquiridos à Ferro em Portugal”, argumenta a autoridade depois da investigação à fusão entre empresas.

Raheb Homavandi/Reuters

A Autoridade da Concorrência (AdC) informo esta segunda-feira que não se opõe à compra da Ferro Corporation (Ferro) pela Pigments Spain, SL (Pigments), depois de ter iniciado uma investigação à fusão entre as empresas e de a adquirente se ter comprometido “a prevenir as preocupações concorrenciais identificadas” no mercado dos pavimentos e revestimentos cerâmicos.

A AdC estava preocupada porque que a proposta de concentração – notificada a 12 de junho – poria em risco que a empresa daí resultante tivesse a capacidade e o incentivo para deteriorar as condições de oferta, como preço, qualidade ou variedade no mercado de esmaltes, tintas esmaltadas e tintas digitais.

No entanto, os compromissos apresentados pela Pigments – uma sociedade de direito espanhol que integra o grupo Esmalglass-Itaca-Fritta – incluem o desinvestimento, a favor de um terceiro operador, dos ativos comprados à Ferro em Portugal, segundo revela a entidade liderada por Margarida Matos Rosa, que deu início a uma investigação aprofundada ao negócio em meados de outubro deste ano.

“Os compromissos apresentados pela Pigments, ao incluírem a alienação em benefício de um operador terceiro da totalidade dos ativos adquiridos à Ferro Corporation em Portugal, contribuem para a manutenção de uma estrutura da oferta semelhante à atual e, consequentemente, foram considerados suficientes, proporcionais e adequados à resolução dos problemas de concorrência identificados pela AdC”, explica a autoridade.

AdC abre investigação aprofundada à fusão entre a Pigments Spain e a portuguesa Ativos Ferro

Recomendadas

SAD do Sp. Braga com resultado positivo de 3,1 milhões de euros na época passada

Relativamente ao exercício financeiro que terminou a 30 de junho deste ano, que ainda não refletem a venda do passe futebolístico do defesa central David Carmo (transferência fechada para o FC Porto na ordem dos 20 milhões de euros), a SAD dos bracarenses destaca que este foi um período “pautado por múltiplos constrangimentos associados à pandemia”.

Sonaecom rasga acordo com Isabel dos Santos

“À Sonae passa a ser imputada uma participação na NOS de cerca de 36,8% do capital social e dos direitos de voto nessa sociedade”, detalha a empresa liderada por Cláudia Azevedo.

Toyota Caetano Portugal com lucros de 7,3 milhões no semestre

Em comunicado à CMVM, a Toyota Caetano Portugal diz que os resultados líquidos consolidados ascenderam a 7,3 milhões de euros, o que compara com 11,7 milhões em dezembro de 2021 e com 2,98 milhões em junho de 2021.
Comentários