Autoridades alemãs realizam buscas no Deutsche Bank por suspeitas de lavagem de dinheiro

A entidade bancária confirma as diligências feitas pela polícia referindo em comunicado que “está a cooperar totalmente com as autoridades”.

A polícia alemã está a realizar buscas na sede do Deutsche Bank, em Frankfurt, na Alemanha, por suspeitas de lavagem de dinheiro, revela o “Financial Times” esta sexta-feira, 29 de abril. A entidade bancária confirma as diligências feitas pela polícia referindo em comunicado que “está a cooperar totalmente com as autoridades”.

Fontes próximas indicaram ao “Financial Times” que na base desta operação estão fluxos de dinheiro potencialmente suspeitos que o Deutsche Bank processou em nome de outros credores da sua lista.

Neste tipo de transações, o Deutsche Bank atua como intermediário, através de uma compensação destes fluxos de dinheiro transfronteiriços entre os credores.

De resto, foi o próprio banco alemão a levantar suspeitas sobre estas transações, sendo que os procuradores públicos estão a investigar se os credores violaram as suas obrigações legais ao não denunciar previamente estas transações.

Face a estas informações, as ações do Deutsche Bank caíram 3%, estando nesta altura a desvalorizar 0,89%. Nos últimos anos, o Deutsche Bank tem sido criticado pelos reguladores pela ineficácia como controla as possíveis  lavagens de dinheiro.

Em 2018, Deutsche Bank foi alvo de buscas por 170 policiais, promotores e fiscais por uma suposta lavagem de dinheiro na divisão de gestão de património do banco entre 2013 e 2018.

Já em outubro de 2020 a procuradoria de Frankfurt multou o banco em 13,5 milhões de euro pela comunicação tardia de transações suspeitas processadas para a sua filial na Estónia, o Danske Bank.

Recomendadas

PremiumVenda do Atlântico avança e espanhóis fora da corrida ao BPG

O pedido de compra do Atlântico Europa pelo Well Link Group está finalmente a evoluir, depois do acordo assinado no inicio de 2020. Já o BPG optou por abrir o processo competitivo de venda.

Govcoins são o futuro mas ameaçam negócio da banca

As moedas digitais dos bancos centrais podem trazer mais segurança nos pagamentos, mas também criar um problema de inclusão. E podem colocar em causa a viabilidade do sector financeiro.
CEO das seguradoras Fidelidade, Tranquilidade, Ageas e Liberty

PremiumSeguradoras estão preparadas para impacto da crise

As companhias de seguros são as maiores gestoras de ativos do mundo, por isso os líderes da Fidelidade, Ageas, Tranquilidade e Liberty Europa estão mais preocupados com a forma como os investimentos serão feitos com o PRR do que com o impacto da crise nas companhias.
Comentários