Autoridades dos EUA “desaconselham” Intel a investir na sua fábrica na China

A guerra comercial entre os EUA e a China continua ao rubro, tendo as autoridades norte-americanas desaconselhado a Intel de ampliar a sua fábrica na China.

Intel

Como forma de ultrapassar a actual crise de falta de componentes semicondutores, um dos planos da Intel seria reforçar a capacidade de produção na sua fábrica em Chengdu, na China, para além da criação de novas fábricas na Europa e nos próprios Estados Unidos.

Porém, devido às políticas em vigor pela administração norte-americana, a Intel foi aconselhada a não prosseguir com o plano da expansão da fábrica na China, por questões de “segurança nacional”.

Para a Intel, isto é um duro golpe nos seus planos de crescimento, uma vez que a localização desta fábrica é perfeita em termos logísticos, isto porque 85% de todos os metais raros extraídos acabam por passar por fábricas de semicondutores localizadas na China.

Porém, a Intel terá que acatar com as indicações das autoridades pela simples razão de que parte do investimento que obtiveram para este plano de expansão provém do próprio Governo norte-americano. Como tal, a Intel terá que se “contentar” com a expansão e criação de novas fábricas fora da China.

PCGuia
Recomendadas

TikTok pode enfrentar multa por proteção de dados de crianças no Reino Unido

A rede social pode enfrentar uma multa de 27 milhões de libras (cerca de 30,03 milhões de euros) por ter alegadamente processado os dados de crianças menores de 13 anos sem o consentimento apropriado dos pais.

Samsung vai investir cinco mil milhões de euros para ser neutra em carbono até 2050

A empresa sul-coreana apresentou recentemente a nova estratégia ambiental, que envolve, entre outras medidas de sustentabilidade, desenvolver novos sistemas de filtragem do ar, apoiar mais startups, expandir o sistema de recolha de resíduos eletrónicos para 180 países, entre outros.

VTEX faz parceria com Adyen para comércio digital unificado

“O comércio unificado já não é algo apenas agradável de ter, é uma necessidade”, segundo refere Roelant Prins, chief commercial officer da Adyen.
Comentários