Avaliação bancária das casas sobe em abril. Lisboa com mais peso

O valor médio de avaliação bancária em Portugal fixou-se em 1.016 euros por metro quadrado (m2) em abril, correspondendo a um aumento de 0,5% face ao mês anterior e de 2,6% em termos homólogos. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), o valor médio de avaliação bancária, realizada no âmbito da concessão de crédito à […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O valor médio de avaliação bancária em Portugal fixou-se em 1.016 euros por metro quadrado (m2) em abril, correspondendo a um aumento de 0,5% face ao mês anterior e de 2,6% em termos homólogos.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), o valor médio de avaliação bancária, realizada no âmbito da concessão de crédito à habitação, situou-se em 1.016 euros/m2 em abril, superior em cinco euros/m2 quando comparado com o observado no mês anterior.

A Área Metropolitana de Lisboa, com um valor médio de avaliação de 1.237 euros/m2 foi a região que mais influenciou o acréscimo mensal observado para o total do país, acompanhado também com mais outras três das sete regiões NUTS II.

Quando se compara com o período homólogo, o valor médio de avaliação no total do país, segundo o INE, registou um aumento de 2,6% em abril, sendo que “os aumentos mais expressivos foram observados na Área Metropolitana de Lisboa (6,1%) e no Centro (3,5%).

Numa análise por NUTS III dos índices de valor médio de avaliação bancária de habitação, houve acréscimos em nove das 25 regiões analisadas, tendo a região do Alentejo Central registado o aumento mais acentuado (1,5%) e a região do Douro a diminuição mais intensa (-4,8%).

O INE refere também que o valor médio de avaliação bancária dos apartamentos se fixou em 1.064 euros/m2 em abril, superior em 0,8% ao observado em março (1.056 euros/m2).

Por regiões NUTS II e comparativamente com o mês precedente, a região dos Açores apresentou o aumento mais acentuado (3,7%), registando um valor médio de avaliação de 1.010 euros/m2 em abril.

O valor médio de avaliação para as tipologias de apartamentos T2 e T3, para o total do país, situou-se em 1.049 euros/m2 e em 1.006 euros/m2, respetivamente, o que se traduziu em aumentos de nove euros/m2 e de um euro/m2 face ao mês anterior.

No que se refere ao valor médio de avaliação bancária das moradias em Portugal, fixou-se em 937 euros/m2, mantendo o valor observado em março.

Em termos homólogos, o valor médio de avaliação das moradias diminuiu 0,5% (redução de 1,4% em março).

O Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação recolhe informação caracterizadora dos alojamentos que são objeto de financiamento bancário e em cujo processo há lugar a uma avaliação técnica de cada imóvel. Os resultados são representativos para o universo de alojamentos em que há recurso a esse meio de financiamento.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

OCDE. Escassez de energia pode levar a recessão na Europa e aumentar inflação em 1,5 pontos percentuais

Uma escassez de energia mais grave, especialmente de gás, poderia aumentar a inflação da zona euro em 1,5 pp (pontos percentuais) e reduzir o crescimento na Europa em mais de 1,2 pp, levando a uma recessão, alerta a OCDE.

OCDE mais pessimista para 2023 vê economia da zona euro crescer 0,3% e inflação de 6,2%

Nas previsões económicas intercalares divulgadas hoje, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) revela-se mais otimista sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro deste ano, melhorando a estimativa em 0,5 pontos percentuais (pp.) face a junho, para 3,1%, mas cortou em 1,3 pp. a de 2023 para 0,3%.

OCDE mantém crescimento global deste ano de 3% mas corta o de 2023 para 2,2%

A OCDE manteve as perspetivas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial deste ano em 3%, prevendo que as economias do G20 cresçam 2,8% (menos 0,1 ponto percentual (pp.) do que em junho).