Avaliação das casas aumentou para 1.331 euros\m2 em março

Este valor representa um aumento de 17 euros face ao mês anterior. A nível homólogo a taxa de variação situou-se nos 12,1%, em comparação com os 11,9% de fevereiro.

A avaliação das casas fixou-se nos 1.331 euros\m2 em março, o que correspondeu a um aumento de 17 euros (1,3%) face ao mês anterior, de acordo com os dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira, 27 de abril.

A nível homólogo a taxa de variação situou-se nos 12,1%, em comparação com os de 11,9% de fevereiro.

Analisando por segmentos, o maior aumento na habitação verificou-se no Alentejo (2,8%), sendo que a única região que apresentou uma variação negativa foi o Algarve (-0,6%).

Face ao ano anterior, o valor médio das habitações subiu 12,1%, com o Algarve (16,4%) a registar o aumento mais expressivo e o Alentejo (8,0%) o menor.

No que diz respeito aos apartamentos, o valor médio da avaliação situou-se nos 1.476 euros\m2, o que representou uma subida de 13,5% face a março de 2021, com o Algarve (1.794 euros\m2) a ter o crescimento mais significativo e o mais baixo no Alentejo (964 euros/m2).

De resto, o Algarve teve também o maior crescimento em termos homólogos (19,0%), com o Alentejo a apresentar o menor (3,3%).

Face ao mês anterior, o valor da avaliação dos apartamentos subiu 1,0%, tendo o Alentejo registado a maior subida (3,3%), com a descida mais acentuada a verificar-se na Região Autónoma dos Açores (-1,0%).

Em relação às tipologias, o valor médio para apartamentos T2 subiu 13 euros, para 1.505 euros/m2, tendo os T3 aumentado 17 euros, para 1.316 euros/m2. Em conjunto, estas tipologias representaram 80,2% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise.

Já nas moradias, o valor médio da avaliação fixou-se nos 1.067 euros\m2, o que significou um aumento de 7,5% face a março de 2021.

Os valores mais elevados registaram-se no Algarve (1.815 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.788 euros/m2), tendo o Alentejo (900 euros\m2) e o Centro (901 euros\m2) registado os valores mais baixos.

Por sua vez, a Área Metropolitana de Lisboa teve o maior crescimento homólogo (15,3%), sendo que o menor ocorreu no Alentejo (5,9%).

Em relação ao mês anterior, o valor da avaliação das moradias aumentou 1,9%, com a Região Autónoma da Madeira a apresentar o aumento mais expressivo (3,3%), tendo o Algarve apresentado a descida mais significativa (-0,8%).

No que toca às tipologias, o valor médio das moradias T2 cresceu 46 euros para 1.047 euros/m2, as T3 subiram 19 euros para 1.045 euros/m2 e as T4 aumentaram cinco euros para 1.104 euros/m2.

Em conjunto, estas tipologias representaram 88,8% das avaliações de moradias realizadas no período em análise.

No mês em análise foram realizadas 32.043 avaliações mais 23,5% face ao mesmo período de 2021, das quais, 20.674 foram feitas em apartamentos e 11.369 em moradias. Em comparação com o período anterior, realizaram-se menos 3.362 avaliações bancárias, o que correspondeu a um aumento de 11,7%.

Recomendadas

Arquitetos destacam a necessidade de reinventar Lisboa após a pandemia

Espaços ao ar livre, utilização da água e sustentabilidade são alguns dos meios que os municípios devem utilizar para transformar os principais desafios em oportunidades para as cidades.

Uma em cada três casas no centro de Lisboa não tem ocupação. “É bizarro”, diz vereadora da CML

Filipa Roseta revela que ao todo, na capital existem perto de 50 mil residências desabitadas e que podem ser uma oportunidade para o mercado com preços acessíveis.

Arquitectura em debate em Lisboa. Veja em direto a “Talk Arquitectura – Novas Oportunidades Urbanas”

A “Talk Arquitetura – Novas Oportunidades Urbanas” conta com o Jornal Económico como media partner e é uma conversa com arquitetos para debater a adaptabilidade, sustentabilidade e resiliência neste contexto. Veja em direto e acompanhe a cobertura editorial no site do Jornal Económico.
Comentários