Avaliação das casas desceu para 1.420 euros\m2 em outubro

Este valor representa uma ligeira descida de nove euros (-0,6%) face ao mês anterior, tendo em termos homólogos se fixado nos 13,5%, em comparação com os 15,6% de setembro.

Margarida Grossinho

A avaliação das casas desceu para os 1.420 euros/m2 em outubro, o que correspondeu a uma ligeira diminuição de nove euros (0,6%) face ao mês anterior, de acordo com os dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta terça-feira, 29 de novembro.

Em termos homólogos a taxa de variação fixou-se nos 13,5%, em comparação com os 15,6% verificados no mês de setembro.

Analisando por segmentos, o maior aumento na habitação verificou-se na Região Autónoma da Madeira (2,2%), tendo a única descida sido registada na região Norte (-0,2%).

Face ao ano anterior, o crescimento mais expressivo registou-se no Algarve (18,8%), tendo a maior quebra sido verificada na região Norte (10,7%).

No que diz respeito aos apartamentos, o valor médio da avaliação situou-se nos 1.581 euros\m2, o que representou uma subida de 14,1% face a outubro de 2021, com o Algarve (1.967 euros\m2) e a Área Metropolitana de Lisboa (1.878 euros/m2) a terem os crescimentos mais significativos, com o Alentejo (1.033 euros/m2) a registar a maior descida.

Por sua vez, a Região Autónoma dos Açores teve o maior crescimento em termos homólogos (22,3%), com a Região Autónoma da Madeira apresentar o menor (9,7%).

Face ao mês anterior, o valor da avaliação dos apartamentos desceu 0,6%, tendo a Região Autónoma da Madeira registado a maior subida (2,9%), e a descida mais acentuada no Norte (-1,1%).

Em relação às tipologias, o valor médio para apartamentos T2 diminuiu oito euros, para 1.599 euros/m2, tendo os T3 descido dois euros, para 1.400 euros/m2. Em conjunto, estas tipologias representaram 78,6% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise.

Já nas moradias, o valor médio da avaliação fixou-se nos 1.142 euros\m2, o que significou um aumento de 13,1% face a outubro de 2021.

Os valores mais elevados registaram-se no Algarve (2.079 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (2.009 euros/m2), tendo o Alentejo (937 euros\m2) e o Centro (927 euros\m2) registado os valores mais baixos.

Por sua vez, o Algarve teve o maior crescimento homólogo (25,4%), sendo que o menor ocorreu no Alentejo (9,1%).

Em relação ao mês anterior, o valor da avaliação das moradias subiu 0,5%, com o Alentejo a apresentar o aumento mais expressivo (3,3%), tendo a Região Autónoma da Madeira apresentado a descida mais significativa (-0,2%).

No que toca às tipologias, o valor médio das moradias T2 desceu onze euros para 1.107 euros/m2, as T3 subiram quatro euros para 1.112 euros/m2 e as T4 aumentaram onze euros para 1.238 euros/m2.

Em conjunto, estas tipologias representaram 87,8% das avaliações de moradias realizadas no período em análise.

No mês em análise foram realizadas 25.600 avaliações, menos 8,6% face ao mesmo período de 2021, das quais, 16.099 foram feitas em apartamentos e 9.501 em moradias. Em comparação com o período anterior, realizaram-se menos 234 avaliações bancárias, o que correspondeu a uma descida de 0,9%.

Recomendadas

VIC Properties desiste da venda do Prata Riverside Village e Herdade da Matinha

Já a Herdade do Pinheirinho que surge também englobado no ‘Project Rise’ continua em processo de venda, mas este projeto deverá, em breve também ser retirado desse processo.

Preço médio das casas com subida homóloga de 13,5% no terceiro trimestre de 2022 (com áudio)

No período em análise o valor fixou-se nos 1.492 euros\m2, registando-se uma desaceleração em comparação com os 17,8% do trimestre anterior.

Lisboa é a terceira cidade europeia mais cara para arrendar. Porto é das mais baratas (com áudio)

Arrendar um apartamento em Lisboa custa em média quase o dobro do que no Porto. De acordo com dados avançados pelo HousingAnywhere International Rental Index, acima da capital portuguesa ficam apenas Amesterdão e Reykjavik.
Comentários