Avaliação das casas desceu para os 1.414 euros por m2 em agosto

Este valor representa uma ligeira diminuição de três euros face ao mês anterior. A nível homólogo a taxa de variação situou-se nos 15,8%, em comparação com os 16,1% de julho.

Cristina Bernardo

A avaliação das casas desceu para os 1.414 euros/m2 em agosto, o que correspondeu a uma ligeira diminuição de três euros (0,2%) face ao mês anterior, de acordo com os dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta terça-feira, 27 de setembro.

A nível homólogo a taxa de variação situou-se nos 15,8%, em comparação com os 16,1% de julho.

Analisando por segmentos, o maior aumento na habitação verificou-se na Região Autónoma dos Açores (2,7%) e a quebra mais significa na região Norte (-0,3%).

Face ao ano anterior, o crescimento mais expressivo registou-se no Algarve (19,0%), tendo a maior quebra sido verificada na Região Autónoma dos Açores (10,5%).

No que diz respeito aos apartamentos, o valor médio da avaliação situou-se nos 1.577 euros\m2, o que representou uma subida de 16,3% face a agosto de 2021, com o Algarve (1.913 euros\m2) e a Área Metropolitana de Lisboa (1.875 euros/m2) a terem os crescimentos mais significativos, com o Alentejo (1.019 euros/m2) a registar a maior descida.

Por sua vez, a Região Autónoma dos Açores teve o maior crescimento em termos homólogos (23,2%), com a Região Autónoma da Madeira apresentar o menor (8,2%).

Face ao mês anterior, o valor da avaliação dos apartamentos subiu 0,1%, tendo a Região Autónoma dos Açores registado a maior subida (8,1%), com a única descida a verificar-se na Área Metropolitana de Lisboa (-0,3%).

Em relação às tipologias, o valor médio para apartamentos T2 subiu oito euros, para 1.597 euros/m2, tendo os T3 descido um euro, para 1.403 euros/m2. Em conjunto, estas tipologias representaram 78,8% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise.

Já nas moradias, o valor médio da avaliação fixou-se nos 1.126 euros\m2, o que significou um aumento de 14,1% face a março de 2021.

Os valores mais elevados registaram-se no Algarve (2.037 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.926 euros/m2), tendo o Alentejo (898 euros\m2) e o Centro (913 euros\m2) registado os valores mais baixos.

Por sua vez, o Algarve teve o maior crescimento homólogo (28,1%), sendo que o menor ocorreu na Região Autónoma dos Açores (8,2%).

Em relação ao mês anterior, o valor da avaliação das moradias desceu 0,3%, com a Região Autónoma da Madeira a apresentar o aumento mais expressivo (3,9%), tendo o Alentejo apresentado a descida mais significativa (-1,4%).

No que toca às tipologias, o valor médio das moradias T2 cresceu seis euros para 1.080 euros/m2, as T3 desceram quatro euros para 1.107 euros/m2 e as T4 aumentaram seis euros para 1.198 euros/m2.

Em conjunto, estas tipologias representaram 88,6% das avaliações de moradias realizadas no período em análise.

No mês em análise foram realizadas 26.272 avaliações, menos 10,4% face ao mesmo período de 2021, das quais, 16.651 foram feitas em apartamentos e 9.621 em moradias. Em comparação com o período anterior, realizaram-se menos 2.363 avaliações bancárias, o que correspondeu a uma descida de 8,3%.

Recomendadas

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.

Aprovada proposta do BE que revoga diploma com benefícios fiscais a fundos de investimento (com áudio)

O diploma que contemplava um quadro de incentivos fiscais dirigido a fundos de investimento imobiliário vai ser revogado, na sequência de uma proposta de aditamento ao Orçamento do Estado para 2023 (OE2023) do BE hoje aprovada no parlamento.

Larfa Properties investe seis milhões na reabilitação do Convento do Beato para o modernizar

No exterior, esta remodelação contemplou ainda “a construção de uma nova área de estacionamento, com cerca de 80 lugares, a poente da igreja, numa zona anteriormente ocupada por armazéns devolutos”.
Comentários