Marchas contra a eutanásia em Aveiro, Braga, Lisboa, Porto e Viseu

A nona edição da Caminhada pela Vida realiza-se no próximo dia 26 de outubro, às 15h00 nestas cinco cidades. De acordo com a organizadora desta iniciativa, o objetivo desta ação passa por “defender todos os seres humanos, principalmente, os mais fracos e vulneráveis”.

As cidades de Aveiro, Braga, Lisboa, Porto e Viseu vão assistir no próximo sábado, dia 26 de outubro, a marchas contra a prática da eutanásia. A nona edição da Caminhada pela Vida tem como objetivo “a defesa de todos os seres humanos, principalmente, os mais fracos e vulneráveis”, de acordo com comunicado da Federação Portuguesa pela Vida, entidade organizadora desta iniciativa.

Esta iniciativa tem início nas cinco cidades referidas às 15h00. Em 2018, esta caminhada juntou mais de 10 mil pessoas que “contribuíram com o seu trabalho para pôr de pé esta iniciativa cerca de  três centenas de voluntários”, realça a Federação Portuguesa pela Vida.

Nas primeiras edições, a caminhada realizou-se apenas em Lisboa, mas atualmente a iniciativa já conta com a participação de cinco grandes cidades. A plataforma Caminhada Pela Vida acredita que em 2020 mais cidades marcharão contra uma eventual legalização da eutanásia, que tem sido defendida por partidos como o Bloco de Esquerda e o PAN, que tencionam apresentar leis nesse sentido nesta legislatura.

Na cidade de Aveiro, a caminhada arranca no largo do mercado Manuel Firmino, e em Braga na Avenida Central (Arcada). Em Lisboa, o percurso inicia-se na Praça Luís de Camões e São Bento na Assembleia da República. Já no Porto, o percurso arranca na Sé, e em Viseu no campo de Viriato.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Jornada Mundial da Juventude. Patriarca defende equipamentos “dignos, económicos e capazes”

O cardeal-patriarca de Lisboa defendeu hoje que “é bom” tudo o que for feito para que os equipamentos da Jornada Mundial da Juventude “fiquem com dignidade e fiquem económicos e capazes” para o evento agendado para agosto em Lisboa.

JMJ. Trabalho “tem funcionado bem” com autarquias de Lisboa e Loures

O coordenador do grupo de projeto para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de Lisboa assegurou hoje que o trabalho “tem funcionado bem” com os técnicos das autarquias da capital e Loures e “sempre em diálogo” com a Igreja.
Comentários