Bagdade condena bombardeamentos iranianos contra o Curdistão iraquiano

O Governo do Iraque condenou hoje os bombardeamentos do Irão contra os opositores iranianos baseados no Curdistão iraquiano, rejeitando que o território seja um “campo de lutas ou acerto de contas”.

“O governo do Iraque rejeita completamente e expressa a sua forte condenação do bombardeamento iraniano com ‘drones’ (veículos aéreos não tripulados) e mísseis contra a região do Curdistão”, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros, num comunicado.

As autoridades de Bagdade garantiram ainda que o seu “território não deve ser uma base utilizada para prejudicar os países vizinhos”, de acordo com o comunicado.

O Irão voltou hoje a bombardear grupos de oposição curda iraniana instalados no vizinho Curdistão iraquiano, matando um combatente destas fações, acusadas por Teerão de instigarem protestos no país.

Os ataques com mísseis e ‘drones’ aconteceram uma semana depois de Teerão ter realizado ataques semelhantes contra estes grupos, instalados há décadas na região autónoma do Curdistão, no norte do Iraque.

O Iraque também reiterou que “os repetidos ataques” do Irão e da Turquia no norte do país, onde estão localizadas fações curdas e partidos contrários a Teerão e Ancara, “representam uma violação da soberania do Iraque”.

Já a 14 de novembro, bombardeamentos semelhantes contra grupos de oposição curdos iranianos causaram um morto e oito feridos no Curdistão iraquiano. Também tinham ocorrido ataques mortíferos a 28 de setembro.

As autoridades iranianas acusam estes grupos de oposição, há muito na sua mira, de instigarem a agitação no Irão, que enfrenta manifestações desde a morte, a 16 de Setembro, da jovem curda iraniano Mahsa Amini, detida pela polícia em Teerão.

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários