Baixar o IRC?

O tema do IRC é importante para as empresas, não se percebendo, a meia dúzia de dias da apresentação do Orçamento do Estado, estas divergências.

Temos assistido a intervenções públicas que apontam para caminhos distintos em matéria de IRC, veja-se as mais recentes afirmações dos responsáveis da área da economia e das finanças.

No entanto, o tema do IRC é importante para as empresas, não se percebendo, a meia dúzia de dias da apresentação do Orçamento do Estado, estas divergências.  A curta experiência resultante do acordo PS/PSD em 2013 revelou-se positiva, até em termos de receitas fiscais do Estado. E fundamentalmente, foi positiva em termos da mensagem política que se pretendeu passar para as empresas.

Claro que o enquadramento económico de hoje é diferente, mas tendo em conta que se perspectiva uma desaceleração da economia e como receitas fiscais têm vindo a crescer muito acima do esperado, seria um sinal positivo para o tecido empresarial e para os investidores nacionais e internacionais.

Do mesmo modo era importante que a medida fosse transversal e tivesse em conta que só cerca de 50% das empresas têm resultados positivos para pagamento de IRC. No entanto, todas pagam em termos de tributações autónomas, que incidem sobre parte dos seus custos (cerca de 15% da receita total do imposto).

Assim, para um imposto que representa cerca de 5 000 milhões de euros, uma baixa da taxa nominal de 1% e de 10% nas tributações autónomas representaria uma baixa próximo de 2,5%, isto é, cerca de 125 milhões de euros.

Sem pôr em causa outros incentivos fiscais para o investimento e apoios à tesouraria, que são imprescindíveis, estes valores, tendo em conta as receitas previstas, não serão comportáveis como medida de apoio às empresas?

Recomendadas

Plataforma da A23 e A25 indignada com ausência da abolição de portagens no OE2023

Em comunicado, a plataforma salientou que “foi sem surpresa, mas com indignação”, que confirmou que “o Governo e o partido (PS) que o suporta na Assembleia da República aprovaram o Orçamento do Estado para 2023, sem nele incluírem a suspensão ou abolição das portagens nas Scut da Beira Interior (A23, A24 e A25)”.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”

OE2023: Orçamento tem de ser “elástico para permitir vários cenários”

O Presidente da República considerou que o Orçamento do Estado tem de ser “elástico” e disse que “é preciso ir reajustando” a sua aplicação, face “às incógnitas” em relação ao futuro.
Comentários