PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.

Os bancos contactados pelo Jornal Económico (JE) anteveem algumas dificuldades na identificação do universo total dos seus clientes que qualificam para a aplicação do diploma da renegociação dos créditos, nos 45 dias dados pela lei.

Tudo porque para calcular a taxa de esforço, as instituições têm de pedir elementos informativos aos clientes que considerem necessários para a avaliação dos rendimentos, o que complexifica o processo, segundo fontes da banca. O presidente de um dos bancos disse mesmo que dificilmente o processo de identificação de todos os clientes fica concluído em 45 dias, projetando que a análise se prolongue durante o primeiro trimestre de 2023.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Respostas Rápidas: Qual o universo de créditos à habitação abrangidos pelo diploma do Governo?

O Ministério das Finanças publicou um conjunto de perguntas e respostas que procura responder de forma simples a dúvidas sobre o diploma que mitiga os custos com o crédito à habitação. Nele traça um universo potencial de aplicabilidade da medida. Há cerca de 2,1 milhões de devedores com empréstimo à habitação, dos quais 90% têm contratos com taxa de juro variável. 

“Falar Direito”. Renegociação de créditos? Eficácia vai depender do universo que temos pela frente”

Qual será o grau de eficácia do diploma que visa, essencialmente, regular o procedimento de renegociação entre as instituições de crédito e os respetivos clientes? Saiba a resposta do advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, no programa da plataforma multimédia JE TV.
Recomendadas

Maiores bancos espanhóis preparam-se para contestar taxa sobre lucros “caídos do céu”

Os bancos espanhóis vão avançar com uma ação legal contra a contribuição sobre os lucros inesperados, de acordo com fontes próximas dessas instituições. Em Portugal, a medida não se aplica à banca. Antes, é exigida às empresas do sector da energia e da distribuição alimentar.

“Em Portugal os mediadores representam 86% da produção na Liberty”, diz responsável por Portugal e Irlanda

“Só para ter uma ideia da nossa atual trajetória, a janeiro de 2023 estamos a crescer mais de 50% em novo negócio Automóvel – tudo porque nos antecipámos ao mercado e prevemos que este seja um ano onde a Liberty vai colher os frutos das sementes entretanto lançadas em 2022 e com isso preparar o crescimento sustentado”, diz Rita Almeida em entrevista.

Quase 11 mil notas falsas apreendidas em Portugal no último ano

O número de notas falsas apreendidas em Portugal caiu 1% em 2022 face ao ano anterior. Nota de dez euros foi a mais frequente entre as retiradas de circulação, revela o Banco de Portugal.
Comentários