PremiumBanca deve garantir que intermediários prestam bons serviços

“Uma estrutura mais ágil e enxuta, com menos custos, acaba por não ter esta estrutura a que a regulamentação dos sistemas financeiros obriga”, afirma o presidente do Montepio Crédito.

Os clientes bancários privilegiam serviços universais, o que é oneroso para as instituições financeiras que neles têm de investir e acaba por se repercutir num custo para os consumidores. Por isso, o presidente do Montepio Crédito acredita que, a longo prazo, o mercado tenderá para um equilíbrio e as fintechs terão um modelo de compensação que permita tornar o “modelo global económico sustentável”. Na opinião de Pedro Gouveia Alves, será natural existir uma concentração de esforços e de serviços nas instituições financeiras já existentes, às quais os novos players recorrem. A lógica é a de criação de sinergias e economia de escala, conforme explicou ao Jornal Económico (JE).

“É muito natural que uma fintech, quando se constitui como intermediário de crédito (se estivermos a falar de produtos de crédito) tenha um modelo de compensação pelos serviços prestados, quer do ponto de vista da distribuição daquilo que é o contrato de crédito ao consumidor final – que há de ter uma remuneração – assim como a utilização de serviços que são prestados pelos bancos a estes intermediários”, disse Pedro Gouveia Alves, à margem da quinta de seis conversas mensais promovidas pelo Jornal Económico e pelo Montepio Crédito, no âmbito do ciclo “30’ a 3”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Orçamento do Estado para 2023 em debate no CCB

O evento organizado pelo Jornal Económico em parceria com a EY vai contar com a presença de António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, como keynote speaker. Os diferentes painéis vão abordar o IRS e IRC, os impostos indiretos e patrimónios, as empresas e ainda responder à questão se este é o “OE de que o país precisa”.

JE e EY promovem conferência sobre OE2023 na terça-feira, 25 de outubro

A proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2023 vai estar em debate no dia 25 de outubro, numa iniciativa do JE e da EY, que terá lugar na sala Almeida Negreiros do CCB, em Lisboa.

Reveja a talk da NTT DATA e do Jornal Económico sobre ciber resiliência

Num mundo cada vez mais digital, as organizações têm perímetros mais alargados, crescendo e encolhendo à medida que os colaboradores equilibram as suas rotinas de trabalho entre o presencial, híbrido e remoto. Assista em direto.
Comentários