Banca europeia vai beneficiar da receita com juros, mas esta será consumida pelo aumento das imparidades para crédito

O relatório conclui que taxas de juros crescentes trazem margem financeira para os bancos europeus, mas custos e imparidades mais altos compensarão os benefícios. Nesta amostra  de 34 maiores bancos europeus não estão incluídos bancos portugueses e há três espanhóis (Santander, BBVA e CaixaBank).

Mike Segar/Reuters

A Moody’s publicou hoje um relatório que analisa o impacto do aumento das receitas líquidas de juros nos bancos europeus.

O relatório conclui que taxas de juros crescentes trazem margem financeira para os bancos europeus, mas custos e imparidades mais altos compensarão os benefícios.

Nesta amostra de 34 maiores bancos europeus não estão incluídos bancos portugueses e há três espanhóis (Santander, BBVA e CaixaBank).

“Esperamos que o crescimento da receita de margem financeira para os bancos da zona euro acelere até 2022 e até 2023, apoiando a rentabilidade para todos os bancos. No entanto, a inflação subjacente e o aumento da pressão sobre os orçamentos das famílias e das empresas irá provavelmente aumentar os custos e os empréstimos problemáticos durante 2023”, de acordo com o relatório.

O relatório mostra que as receitas líquidas de juros aumentaram mais de 10% na primeira metade de 2022 nos 34 maiores bancos europeus, ajudadas pelo aumento do volume de empréstimos e margens de juro líquidas mais elevadas, uma vez que os bancos aumentaram as taxas de empréstimo mais rapidamente do que as taxas de depósito.

 

Recomendadas

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.

Morgan Stanley avança com corte de 1.600 empregos

A redução de quadros, dada em primeira-mão pela “CNBC”, afetou cerca de 1.600 dos 81.567 empregados da instituição financeira e tocou a quase todos os cantos do banco de investimento global. O banco está a seguir os seus concorrentes no restabelecimento de um ritual suspenso durante a pandemia: a saída anual de pessoas com fraco desempenho.
Comentários