Banca paga apoios aos trabalhadores para responder à inflação. Quem dá o quê?

A Caixa Geral de Depósitos, BCP, Santander Portugal, Crédito Agrícola e Banco Montepio anunciaram medidas para apoiar os seus trabalhadores no atual contexto de escalada dos custos. Mas, afinal, que apoios foram dados por cada instituição financeira?

O presidente do BPI, João Pedro Oliveira e Costa (E), o CEO, Santander Totta, Pedro Castro e Almeida (2-E), o presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), Vítor Bento (2-D), e o presidente do Millennium BCP, Miguel Maya (D), participam na conferência “Banca do Futuro”, em Lisboa, 16 de novembro de 2022. ANDRÉ KOSTERS/LUSA

A escalada de preços e perda de poder de compra levou a banca a adotar um conjunto de medidas para ajudar os seus trabalhadores a enfrentar este contexto mais difícil. Um pacote de apoio que inclui pagamentos extraordinários, a possibilidade de receberem a totalidade do subsídio de Natal em duodécimos ou de alargamento da maturidade dos créditos.

Estas são algumas das medidas anunciadas pela Caixa Geral de Depósitos, BCP, Santander Portugal, Crédito Agrícola ou Banco Montepio. No caso do BPI, o CEO do banco referiu, na conferência de resultados, que a instituição financeira aumentou os níveis mínimos de rendimentos em 19% e o nível seguinte em 5%. “Não damos cheques uma vez, aumentamos as pessoas em definitivo”, disse João Pedro Oliveira e Costa.

Mas, afinal, que medidas foram adotadas e por quem? O Jornal Económico compilou os vários apoios que têm sido anunciados por cada banco.

CGD paga apoio entre 600 e os 900 euros em salários até 2.700 euros

O banco estatal decidiu implementar um conjunto de medidas, “consciente que o aumento inusitado da inflação tem afetado de forma anormal o rendimento disponível dos seus colaboradores, particularmente daqueles que integram agregados familiares que auferem remunerações mais baixas”, disse a entidade liderada por Paulo Macedo.

Entre as medidas, a Caixa decidiu fazer um pagamento extraordinário, em dezembro, de 900 euros para os colaboradores que recebam até 1.500 euros brutos por mês. Um valor que baixa para 600 euros caso o rendimento mensal se situe entre 1.500 e 2.700 euros.

A CGD dá ainda a possibilidade aos seus trabalhadores de antecipar até 50% do subsídio de Natal durante o primeiro semestre de 2023 ou de receber a totalidade do subsídio de Natal em duodécimos, além de ir aumentar os prémios e incentivos a pagar no próximo ano.

BCP faz pagamento extraordinário de 500 euros

O BCP decidiu atribuir um pagamento pontual extraordinário de 500 euros a todos os colaboradores sem viatura atribuída, que será processado com o salário de dezembro.

A gestão aprovou ainda a “possibilidade de receber a totalidade do subsídio de Natal de 2023 em duodécimos, a partir de janeiro de 2023” e de “fixação por um ano da prestação do crédito habitação concedido ao abrigo das condições do Acordo Coletivo de Trabalho”. De acordo com o banco, “a fixação da prestação terá como base a prestação paga em junho de 2022, sendo que o prazo total do empréstimo será acrescido de um ano”.

O banco também “disponibiliza uma oferta de autocarros gratuitos para/do Taguspark”, além de estar a ultimar a “disponibilização de uma plataforma que permitirá aos colaboradores Millennium agilizar o car pooling”.

Santander dá 750 euros aos colaboradores

O banco liderado por Pedro Castro e Almeida pagou, em outubro, um apoio extra de 750 euros aos trabalhadores que ganhem até 30 mil euros por ano. Além deste pagamento, o Santander Portugal decidiu dar a possibilidade, em 2023, de todos os colaboradores anteciparem até 50% do subsídio de Natal.

O banco aumentou ainda o limite de crédito disponível para os trabalhadores para 200 mil euros em novas operações de crédito, e alargou o acesso a outras medidas como a comparticipação do passe social em 50% ou o apoio a propinas no valor de 310 euros por ano por filho ou enteado.

“Acreditamos que estas medidas podem contribuir para que muitos dos nossos colaboradores tenham melhores condições para enfrentar este período desafiante”, disse o Santander numa nota enviada aos trabalhadores.

Apoio no Crédito Agrícola varia entre 250 e 750 euros

No Crédito Agrícola, o banco disse ir pagar em novembro um apoio pontual de 500 euros aos colaboradores da Caixa Central, tendo dado indicação para que as Caixas de Crédito Agrícola e empresas do grupo possam atribuir um prémio entre os 250 e os 750 euros.

“Esta é mais uma medida que visa o comprometimento do banco com os seus colaboradores e um apoio extraordinário para atenuar os efeitos da subida da inflação e alguma perda do poder de compra”, disse Paulo Barreto, diretor de recursos humanos do grupo Crédito Agrícola.

Além disso, a instituição financeira tem em vigor um modelo de teletrabalho que prevê três dias presenciais e dois dias a trabalhar a partir de casa. Um modelo “que tem impacto no bem-estar pessoal e profissional dos trabalhadores, mas também com a sustentabilidade nas vertentes ambiental e social, com a poupança realizada nas deslocações”, indicou a instituição financeira.

Montepio paga até 600 euros aos trabalhadores

O Banco Montepio vai pagar, em dezembro, 600 euros aos colaboradores que recebam um salário bruto de até 1.500 euros. Para os que recebem entre 1.500 e 2.500 euros, o valor do apoio baixa para 400 euros.

No crédito à habitação para os colaboradores, o banco aumentou o “plafond individual para 200.000 euros nas novas operações do processo ACT de 2023″, tendo ainda reforçado o “plafond global desta linha de crédito, o que permitirá abranger um maior número de pedidos de colaboradores”.

O Montepio abre ainda a porta à “possibilidade de alargamento do prazo até 70 anos de idade (com limite de 40 anos de maturidade), em situações comprovadas de agravamento acentuado no rendimento familiar”.

“Foram ainda aprovadas outras medidas associadas aos créditos a colaboradores para mitigação do agravamento das condições económicas, nomeadamente a possibilidade de alargamento de prazos e o acesso ao crédito Multifunções para consolidação de créditos e saneamento financeiro”, referiu.

Quanto ao apoio escolar a filhos de trabalhadores, o banco diz ir renovar, em 2023, o apoio complementar a todos os níveis de ensino, subsídio de material e de alojamento; avançar com o pagamento em dezembro do subsídio de material e de um trimestre de complemento escolar e introduzir o novo apoio “Prémio de Excelência Escolar”.

Relacionadas

Banco Montepio paga apoio extraordinário de até 600 euros aos colaboradores (com áudio)

O banco vai pagar em dezembro um apoio extraordinário de 600 euros para colaboradores com retribuição mensal efetiva ilíquida (equivalente ao subsídio de férias ou Natal) até 1.500 euros, e de 400 euros em caso de retribuição entre 1.500 e 2.500 euros.

CGD vai avançar com pagamento extraordinário aos trabalhadores (com áudio)

Na nota, o sindicato refere que a CGD vai avançar com um pagamento extraordinário em dezembro, que oscilará entre os 600 e os 900 euros, de acordo com a remuneração mensal de cada trabalhador, desde que este aufira um rendimento mensal até 2.700 euros.

BCP dá 500 euros extraordinários aos trabalhadores em dezembro

O BCP decidiu atribuir um pagamento pontual extraordinário de 500 euros a todos os colaboradores sem viatura atribuída, que será processado com o salário de dezembro.

Crédito Agrícola paga apoio pontual de até 750 euros aos colaboradores

O banco vai pagar em novembro um apoio pontual de 500 euros aos colaboradores da Caixa Central, tendo dado indicação para que as Caixas de Crédito Agrícola e empresas do grupo possam atribuir um prémio entre os 250 e os 750 euros.
Recomendadas

Banco Efisa entra em dissolução

O banco Efisa, que pertencia ao universo BPN, entrou em dissolução, de acordo com um documento hoje divulgado no ‘site’ de publicações do Ministério da Justiça.

Credit Suisse conclui aumento de capital de quatro mil milhões (com áudio)

Os acionistas exerceram 98,2% de seus direitos de subscrição, segundo avança a Reuters. O restante capital (1,74 mil milhões de francos) tinha já sido obtido através de uma colocação privada junto de investidores institucionais, como o Saudi National Bank.

Santander multado no Reino Unido por controlos ineficazes contra branqueamento de capitais

A Autoridade para a Conduta Financeira (FCA) disse, num comunicado emitido esta sexta-feira, ter concluído um processo contra a filial britânica do Santander sobre operações decorridas entre 2012 e 2017 e concluiu que os controlos para impedir o branqueamento de capitais em 560 mil contas não eram suficientes.
Comentários