Banca perde depósitos há 12 meses

Apesar do saldo negativo, as famílias portuguesas continuam a depositar mais de cinco mil milhões de euros por mês em aplicações com taxas de juro praticamente nulas.

A banca portuguesa continua a perder depósitos. O saldo destas aplicações está em queda há 12 meses consecutivos, período durante o qual as famílias portuguesas retiraram 3,5 mil milhões de euros de depósitos a prazo, para um total de 97,9 mil milhões. O pico foi atingido em março de 2012, quando os depósitos de particulares atingiram os 102,5 mil milhões de euros.

Apesar desta saída líquida de dinheiro depositado na banca nacional, a verdade é que as famílias portuguesas continuam a depositar mais de cinco mil milhões de euros por mês em novas aplicações a prazo. Em Outubro parquearam 5,2 mil milhões de euros, mais 65 milhões de euros face ao mês anterior, com uma taxa de juro média de 0,34%, o que representa um novo mínimo histórico.

A concessão de novo crédito a famílias e empresas segue em linha com a média mensal registada no último ano. Em Outubro, a banca nacional concedeu 456 milhões de euros em crédito à habitação, 1,4 mil milhões de euros a pequenas e médias empresas e cerca de mil milhões a grandes empresas. Apesar disso, o saldo de crédito continua em queda, o que significa que a banca continua a conceder menos financiamento do que o amortizado mensalmente.

As taxas de juro do crédito ficaram também praticamente inalteradas face a Setembro. A taxa de juro média para a compra de casa segue em 1,85%, enquanto a TAEG, que engloba todos os custos com excepção das vendas cruzadas, ficou em 2,84%. Já os custos dos empréstimos para as empresas até um milhão de euros aumentou ligeiramente, de 3,39% para 3,42%, enquanto a taxa de juro dos financiamentos acima de um milhão de euros subiu de 2,49% para 2,7%.

Recomendadas

Bancos da zona euro devolvem antecipadamente 447,5 mil milhões ao BCE

Este montante vem juntar-se aos quase 300 mil milhões de euros que foram reembolsados antecipadamente em 23 de novembro.

Banco Efisa entra em dissolução

O banco Efisa, que pertencia ao universo BPN, entrou em dissolução, de acordo com um documento hoje divulgado no ‘site’ de publicações do Ministério da Justiça.

Credit Suisse conclui aumento de capital de quatro mil milhões (com áudio)

Os acionistas exerceram 98,2% de seus direitos de subscrição, segundo avança a Reuters. O restante capital (1,74 mil milhões de francos) tinha já sido obtido através de uma colocação privada junto de investidores institucionais, como o Saudi National Bank.
Comentários