Banca perde depósitos há 12 meses

Apesar do saldo negativo, as famílias portuguesas continuam a depositar mais de cinco mil milhões de euros por mês em aplicações com taxas de juro praticamente nulas.

A banca portuguesa continua a perder depósitos. O saldo destas aplicações está em queda há 12 meses consecutivos, período durante o qual as famílias portuguesas retiraram 3,5 mil milhões de euros de depósitos a prazo, para um total de 97,9 mil milhões. O pico foi atingido em março de 2012, quando os depósitos de particulares atingiram os 102,5 mil milhões de euros.

Apesar desta saída líquida de dinheiro depositado na banca nacional, a verdade é que as famílias portuguesas continuam a depositar mais de cinco mil milhões de euros por mês em novas aplicações a prazo. Em Outubro parquearam 5,2 mil milhões de euros, mais 65 milhões de euros face ao mês anterior, com uma taxa de juro média de 0,34%, o que representa um novo mínimo histórico.

A concessão de novo crédito a famílias e empresas segue em linha com a média mensal registada no último ano. Em Outubro, a banca nacional concedeu 456 milhões de euros em crédito à habitação, 1,4 mil milhões de euros a pequenas e médias empresas e cerca de mil milhões a grandes empresas. Apesar disso, o saldo de crédito continua em queda, o que significa que a banca continua a conceder menos financiamento do que o amortizado mensalmente.

As taxas de juro do crédito ficaram também praticamente inalteradas face a Setembro. A taxa de juro média para a compra de casa segue em 1,85%, enquanto a TAEG, que engloba todos os custos com excepção das vendas cruzadas, ficou em 2,84%. Já os custos dos empréstimos para as empresas até um milhão de euros aumentou ligeiramente, de 3,39% para 3,42%, enquanto a taxa de juro dos financiamentos acima de um milhão de euros subiu de 2,49% para 2,7%.

Recomendadas

Moody’s coloca em revisão para melhoria o rating das obrigações hipotecárias cobertas do Novobanco

A classificação de hoje da Moody’s é colocada em revisão para atualização. Esta revisão está sujeita ao esclarecimento do emitente sobre o compromisso de sobrecolateralização na sequência da implementação da nova lei portuguesa de obrigações cobertas, que entra em vigor em julho, e que elimina qualquer requisito de sobrecolateralização para futuras emissões ao abrigo da nova lei.

Moody’s. Subida rápida dos juros impulsionada pela inflação será “faca de dois gumes” para os bancos

“Se os bancos centrais não aumentarem as taxas de juro, a qualidade dos ativos dos bancos permanecerá forte e os custos do risco de crédito baixos, com uma procura de empréstimos mais robusta. No entanto, a receita da margem financeira não subirá e, em última análise, uma inflação mais elevada poderá levar os bancos centrais a um ciclo de aperto mais súbito e prejudicial mais tarde”, alerta a agência de rating.

Dificuldades no acesso a capital travam empreendedorismo em Portugal

De acordo com um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos, “as restrições financeiras dificultam principalmente o tipo de empreendedorismo de alto potencial que impulsiona a criação de empregos e o crescimento económico”.
Comentários