Banca portuguesa rejeita oferta da Mercadona por unidade da Pescanova

O jornal La Voz de Galicia noticiou hoje que a banca portuguesa rejeitou uma oferta, por valor não conhecido, de uma “fundo próximo” do grupo espanhol Mercadona para a compra da unidade de aquicultura da Pescanova em Mira, Coimbra. O jornal adianta, na sua edição de hoje, que o grupo Mercadona tentou entrar no capital […]

O jornal La Voz de Galicia noticiou hoje que a banca portuguesa rejeitou uma oferta, por valor não conhecido, de uma “fundo próximo” do grupo espanhol Mercadona para a compra da unidade de aquicultura da Pescanova em Mira, Coimbra.

O jornal adianta, na sua edição de hoje, que o grupo Mercadona tentou entrar no capital da Pescanova “através de Portugal”, nomeadamente respondendo à tentativa de venda da Acuinova Actividades Piscícolas, a filial portuguesa daquela firma galega, mas que esta proposta foi rejeitada pela Caixa Geral de Depósitos, BPI, BCP e Novo Banco.

Segundo a notícia, o fundo de capital de risco Atitlan – criado em 2006 para investir e consolidar a rede de fornecedores do grupo Mercadona – fez uma oferta à banca credora que quer recuperar os 100 milhões de euros de dívida da filial portuguesa.

O valor total da oferta não é conhecido, mas fontes financeiras portuguesas citadas pelo jornal galego explicam que “o valor não alcançou as expectativas dos credores financeiros e foi rejeitada”.

Fontes do setor explicam ao jornal que o objetivo do grupo Mercadona poderia ser repetir operações idênticas levadas a cabo no passado, como a compra, em 2012, por 50 milhões de euros, da empresa de congelados Caladero.

Mercadona e Pescanova mantém já uma estreita relação comercial, pelo que a operação permitiria não só fortalecer esse aspeto, mas, eventualmente, permitir que a empresa de distribuição entrasse no capital da empresa galega.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.