Bancários reformados em protesto em frente à residência oficial do primeiro-ministro no dia 6

Os bancários reformados vão avançar com um protesto no próximo dia 6 de outubro, através de uma concentração em frente à residência oficial do primeiro-ministro, para exigir pagamento de complemento excecional de 50% das pensões.

Mário Mourão, secretário-geral da UGT eleito. durante o XIV Congresso dos sindicatos da UGT, 24 de abril 2022 em Santarém. PAULO CUNHA/LUSA

Os bancários reformados vão avançar com um protesto no próximo dia 6 de outubro, através de uma concentração em frente à residência oficial do primeiro-ministro para exigir pagamento de complemento excecional de 50% das pensões.

O protesto foi organizado pelo SBN – Sindicato dos Trabalhadores do Setor Financeiro de Portugal, em conjunto com o Mais Sindicato do Setor Financeiro e com o SBC – Sindicato dos Bancários do Centro, todos filiados na UGT.

Mário Mourão, presidente do SBN e secretário-geral da UGT marcará presença neste protesto.

“Dezenas de reformados do sector bancário da região Norte deslocam-se a Lisboa para participar na Concentração promovida pelo SBN – Sindicato dos Trabalhadores do Setor Financeiro de Portugal, em conjunto com o Mais Sindicato do Setor Financeiro e com o SBC – Sindicato dos Bancários do Centro, marcada para o próximo dia 6 de outubro, entre as 15H00 e as 18h00, frente à Residência Oficial do primeiro-ministro, em São Bento”, lê-se na nota.

O comunicado detalha que “esta manifestação, insere-se na luta encetada pelos Sindicatos dos Bancários da UGT contra a discriminação dos seus reformados e pensionistas e para exigir o pagamento do complemento excecional de 50% nas pensões”.

Considerando as medidas que visam mitigar os efeitos da inflação, recentemente anunciadas pelo Governo, “estes sindicatos não admitirão que os bancários reformados sejam objeto de segregação social, não se lhes aplicando as mesmas medidas, na sua totalidade e de acordo com o Princípio da Igualdade, a que todas as entidades estão adstritas”, dizem.

 

Recomendadas

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Complemento excecional a pensionistas: SNQTB remeteu nova carta ao Primeiro-Ministro

Depois do OE2023 ter sido aprovado o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários diz que “o Partido Socialista mantém a injustiça em relação aos bancários reformados que foram indevidamente excluídos da atribuição do complemento excecional a pensionistas”.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários