Banco Best tem novo CEO. Madalena Torres saiu no fim do mandato (com áudio)

Nuno Rocha é o novo CEO do Banco Best, o banco digital do grupo Novobanco, apurou o Jornal Económico. A anterior CEO, Madalena Torres, saiu em abril depois de apresentar as contas anuais. A venda do Banco Best volta a estar em cima da mesa. Mas o Novobanco diz que não há nesta altura nenhum processo aberto.

www.sonyfoto.net © 2018 Manuel Batista

Nuno Rocha é o novo CEO do Banco Best, o banco digital do grupo Novobanco, apurou o Jornal Económico. A anterior presidente executiva, Madalena Torres, saiu em abril, depois de apresentar as contas anuais em fim de março, quando o Banco Best reportou um resultado líquido positivo de 3,3 milhões de euros em 2021, o que representa um aumento de 83% face ao ano anterior.

O novo CEO está ainda a ser avaliado no âmbito do processo de “fit & proper”, pelo Banco de Portugal, e deverá ser anunciado depois de ter luz verde do regulador.

“O último mandato [de Madalena Torres] decorreu no triénio de 2019-2021, tendo deixado de exercer funções no Banco em abril de 2022″, respondeu fonte oficial do Banco Best ao Jornal Económico.

O banco disse ainda que “os restantes membros dos órgãos sociais mantém-se em funções, estando ainda a decorrer o processo de fit & proper junto do supervisor”.

Banco Best pode ser vendido

Tal como admitiu em entrevista ao Jornal Económico, o ex-CEO António Ramalho, no fim do ano passado, o Best que está em reavaliação pelo Novobanco no plano estratégico de 2022-2024.

Há rumores no mercado de que o Novobanco vai avançar com a venda do Banco Best em 2023. Questionado sobre a eventual venda do banco online pelo Novobanco, que o controla a quase 100%, o Banco Best respondeu que “eventuais transações relativas ao capital social do banco são matéria do foro exclusivo do acionista pelo que naturalmente não temos qualquer comentário.”

O Banco Best é uma instituição financeira fundada em 2001, que atua nas áreas de Banking, Asset Management e Trading.

Recorde-se que em dezembro do ano passado, em entrevista ao Jornal Económico, António Ramalho, então CEO do Novobanco admitiu que o plano estratégico para 2022-2024, incluía vários cenários para o futuro de três subsidiárias, entre elas o Banco Best.

O Plano Estratégico foi desenhado com vista à simplificação de toda a estrutura. Nesse sentido, e tal como admitiu António Ramalho na altura “procuramos ter o mínimo de sociedades participadas possíveis. Isto passa por analisar todas as operações. Falou-me do Best, mas eu falo-lhe da gestão de ativos, do Real Estate, todas essas áreas estão em análise para sabermos quais são as melhores soluções para dar resposta aos clientes da forma mais simplificada”.

Na altura o então CEO do Novobanco admitia todos os cenários, nomeadamente “encontrar parceiros adequados” para as subsidiárias.

“A parceria é uma das quatro áreas estratégicas do nosso Plano para 2022-2024. Acreditamos que há uma boa parte da nossa atividade que tem de ser feita em parceria, não devemos procurar ter as competências todas. Já o fazemos, por exemplo, na atividade seguradora. Não temos seguradoras, temos parceiros nos seguros. Estamos também com uma parceria na atividade do crédito ao consumo. Isto é, há áreas específicas onde achamos que a expertise de alguns facilita melhor o nosso serviço”, referia Ramalho sem se referir especificamente ao Banco Best.

Contactado o Novobanco confirmou que não há nenhum processo de venda do Banco Best aberto nesta altura.

Relacionadas

Best faz acordo para lançamento de fundos da Edmond de Rothschild

O Banco Best fez um acordo para o lançamento de fundos da sociedade gestora Edmond de Rothschild. Nesta nova oferta destacam-se dois fundos temáticos, o EDR Fund Big Data e o EDR Fund Healthcare.
Recomendadas

BPI financia tecnologia que promove autonomia de pessoas com paralisia cerebral

App, acessível por smartphone, tablet ou computador, permite aos residentes emitir um pedido de assistência que assume a forma de alerta enviado aos colaboradores da instituição. Em 2022 foram lançados 4.590 pedidos de assistência.

Premium“Crédito Agrícola tem de saber manter a sua identidade”

Papel da banca cooperativa é analisado em livro dos professores universitários Luís Reto, Paulo Bento e Nuno Crespo, a pedido do Crédito Agrícola.

CGD aumenta proposta salarial para 3,5%, mas sindicatos querem mais

O banco estatal também aceitou aumentar o valor das propostas referentes a alguns subsídios, como o de natalidade e o de trabalhador-estudante, e o plafond do crédito à habitação, dizem MAIS, SBC e SBN. Mas sindicatos pedem mais.
Comentários