Banco central chinês volta a injetar liquidez no mercado após 36 dias

O Banco do Povo Chinês (banco central) injetou hoje 160 mil milhões de yuan (20.500 milhões de euros) no sistema financeiro do país, na primeira injeção de liquidez em mais de trinta dias, informou a agência noticiosa oficial Xinhua.

O banco central da China efetuou aquela operação através de acordos de recompra (‘repos’), mecanismo que pressupõe a recompra posterior dos títulos vendidos dentro de um prazo estabelecido.

Os ‘repos’ têm um vencimento de sete dias e taxas de juros de 2,55%.

A operação visa manter níveis suficientes de liquidez e compensar o impacto causado pela emissão de novos títulos governamentais, destaca a Xinhua, que cita o banco central chinês.

Em declarações à agência, o economista Hua Changchun diz esperar que o banco central mantenha a liquidez nas próximas semanas, visando resistir a pressões económicas negativas e à escassez de liquidez de final do ano.

O banco central chinês tem optado cada vez mais por operações no mercado aberto na gestão da liquidez, ao invés de baixar as taxas de juros ou reduzir o coeficiente de reservas obrigatórias dos bancos.

Recomendadas

Agência de Energia e Irão retomam contacto em Viena

O diretor da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, reuniu-se com o chefe do programa nuclear iraniano, Mohammad Eslami, para retomar os contactos e esclarecimentos.

São Tomé: CPLP diz que comissão eleitoral é soberana na divulgação de resultados

O chefe da missão de observação eleitoral da CPLP, o embaixador Rafael Vidal, disse que a lei são-tomense não obriga à divulgação dos resultados provisórios antes da contagem nos distritos.

Parlamento eslovaco aprova adesão de Finlândia e Suécia à NATO

O parlamento eslovaco aprovou hoje a entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, indicou o ministro dos Negócios Estrangeiros e Europeus, Ratislav Kacer, em mensagem no Twitter.
Comentários