Banco Central Europeu estuda limite de 20% do lucro para dividendos de bancos

O BCE está a estudar se deve limitar o pagamento de dividendos apenas para bancos sistémicos nos primeiros nove meses em cerca de 20% do lucro, com o objetivo de reter capital dentro sistema financeiro, avança esta sexta-feira a agência financeira “Bloomberg”.

Os reguladores europeus estão a avaliar uma abordagem mais conservadora do que a do Banco da Inglaterra quanto ao montante de lucros que as instituições financeiras podem devolver aos acionistas através de dividendos, avança a agência “Bloomberg”, citando fontes com conhecimento sobre o assunto.

O Banco Central Europeu (BCE) pondera se devem limitar o pagamento de dividendos apenas para bancos sistémicos nos primeiros nove meses em cerca de 20% do lucro, com o objetivo de reter capital dentro sistema financeiro, disseram fontes da Bloomberg, que falaram sob anonimato.

O limite está abaixo dos 25% do lucro que os bancos britânicos podem começar a distribuir a partir do próximo ano, segundo anunciou o Banco de Inglaterra na quinta-feira.

Os termos ainda não foram acordados e ainda podem mudar quando o conselho fiscal do BCE decidir se e como suspender a proibição de distribuição de dividendos na reunião na próxima semana, disseram as fontes da agência financeira.

Esse órgão é composto por autoridades nomeadas pelo BCE e principais reguladores bancários nacionais. A “Bloomberg” informou na quinta-feira que os reguladores estudavam um acordo que prolongaria o veto, permitindo que apenas bancos mais capitalizados da região retomem os pagamentos de lucros aos acionistas, mas um porta-voz do BCE não quis comentar.

Os bancos europeus, cujas ações mostram desempenho mais fraco do que o mercado em geral neste ano, alertaram repetidamente que restringir a capacidade de pagar dividendos pode afastar investidores.

Apesar do otimismo de que o fim da pandemia está próximo após ensaios de vacinas bem-sucedidos, alguns reguladores estão preocupados que, se permitirem um retorno total dos pagamentos, os bancos não tenham reservas financeiras para absorver as perdas sem o resgate dos contribuintes.

Os bancos teriam que mostrar que têm capital suficiente para administrar as perdas e continuar emprestando, mesmo que façam um pagamento de dividendos reduzido, disseram as pessoas.

O Banco da Inglaterra disse que permitirá que os bancos façam pagamentos que não excedam 0,2 pontos percentuais dos seus ativos ponderados pelo risco, ou 25% dos lucros trimestrais acumulados em 2019 e 2020 após a dedução das distribuições aos acionistas.

Recomendadas

Bancos da zona euro devolvem antecipadamente 447,5 mil milhões ao BCE

Este montante vem juntar-se aos quase 300 mil milhões de euros que foram reembolsados antecipadamente em 23 de novembro.

Banco Efisa entra em dissolução

O banco Efisa, que pertencia ao universo BPN, entrou em dissolução, de acordo com um documento hoje divulgado no ‘site’ de publicações do Ministério da Justiça.

Credit Suisse conclui aumento de capital de quatro mil milhões (com áudio)

Os acionistas exerceram 98,2% de seus direitos de subscrição, segundo avança a Reuters. O restante capital (1,74 mil milhões de francos) tinha já sido obtido através de uma colocação privada junto de investidores institucionais, como o Saudi National Bank.
Comentários