Banco de Inglaterra espera que inflação caia para 2% até 2020

No final da reunião de política monetária desta quinta-feira, o banco central liderado por Mark Carney reafirmou que o Brexit continua a ser a maior fonte de incerteza para a economia do Reino Unido.

Frank Augstein/Reuters

Numa altura em que a inflação não pára de escalar no Reino Unido, o Banco de Inglaterra (BoE) reviu as projeções para o país até 2020 e mostrou mais confiança em relação à trajetória da inflação. Depois da reunião de política monetária desta quinta-feira, a instituição liderada por Mark Carney anunciou esperar que a inflação atinja a meta de 2% nos próximos três anos.

“A inflação foi de 3,1% em novembro. Continua a ser o caso que a inflação está a ser levada para acima da meta por um impulso nos preços das importações, que resultou da depreciação passada da libra esterlina”, explicou o banco central em comunicado.

Sobre a estratégia do BoE para que a inflação volte à trajetória, o governador vai enviar uma carta ao ministro das Finanças do Reino Unido a explicar o que pretende fazer, que será apenas conhecida em fevereiro.

“Os desenvolvimentos sobre a saída do Reino Unido da União Europeia – e em particular a reação dos agregados familiares, negócios e preços dos ativos – continua a ser a influência mais significativa e maior fonte de incerteza sobre o outlook económico”, sublinhou o BoE.

O banco central manteve as taxas de juro inalteradas em 0,5%, valor para que tinham subido em novembro, depois de uma década em mínimos históricos. A decisão foi unânime e já era antecida pelos mercados. O Comité votou também com consenso em manter o programa de compra de ativos corporativos em 10 mil milhões de libras e de compra de ativos governamentais em 435 mil milhões de libras.

Relacionadas

Reino Unido: Inflação acelera para 3,1% em novembro, a mais alta em quase seis anos

Os dados mais recentes sobre o Índice de Preços do Consumidor foram divulgados esta terça-feira pelo Office of National Statistics, no mesmo dia em que se debate o Brexit no Parlamento Europeu.

Reino Unido: Desde 1975 que o desemprego não estava tão baixo

Taxa de desemprego registada no último trimestre britânico (julho-outubro) foi 4,3%, confirmando as previsões do ONS.

Cinco reuniões em dois dias: bancos centrais preparam 2018

Os responsáveis de política monetária da zona euro, do Reino Unido, dos Estados Unidos, da Noruega e da Suíça têm reuniões entre quarta e quinta-feira. Com desafios diferenças para o próximo ano, cada um tomará as últimas decisões de 2017.

Banco de Inglaterra vai subir taxas de juro depois de uma década sem mexidas

A taxa de juro diretora vai subir 25 pontos percentuais dos 0,25% para os 0,5%, para facilitar a política monetária britânica e ajudar a economia do país, após a sua saída da União Europeia estar consolidada.
Recomendadas

PremiumReserva Federal penaliza mercados

A postura mais ‘hawkish’ do que o esperado do banco central norte-americano empurra os mercados para perto de mínimos do ano.

Wall Street encerra semana com principais índices a perder mais de 1,50%

O Dow Jones encerrou o dia a ceder 1,62% para 29.590,41 pontos, o S&P500 a perder 1,67% para 3.695,10 pontos e o tecnológico Nasdaq a recuar 1,80% para 10.867,93 pontos.

Euro e libra recuam para mínimos de décadas face ao dólar

O euro e a libra terminaram hoje a semana a recuar para mínimos de décadas face ao dólar, com as moedas europeias pressionadas por receios de recessão e o dólar a beneficiar do estatuto de ativo seguro.
Comentários