Banco de Portugal acompanha Banif

O Banco de Portugal está a acompanhar a situação do Banif, garantindo “como é da sua competência, a estabilidade do sistema financeiro, bem como a segurança dos depósitos”, avança em comunicado publicado há momentos.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Banco de Portugal está a acompanhar, em articulação com o Ministério das Finanças, a situação do Banif, garantindo “como é da sua competência, a estabilidade do sistema financeiro, bem como a segurança dos depósitos”, avança em comunicado publicado há momentos.

“O plano de reestruturação do Banif está a ser analisado pela Comissão Europeia e, em paralelo, está a decorrer um processo de venda internacional da instituição financeira conduzido pelo Conselho de Administração”, explica o regulador do mercado nacional, confirmando a informação já revelada pelas “autoridades nacionais, europeias e pelo Conselho de Administração do Banif”.

O breve comunicado termina com o banco central a reafirmar que está “atuar dentro dos seus poderes e competências enquanto Autoridade integrada no Mecanismo Único de Supervisão europeu”.

OJE

Recomendadas

Natal. 87% dos portugueses vão decorar as casas e só 27% querem reduzir na eletricidade

São 54% os portugueses que não pensam gastar dinheiro em novas decorações (19% prevê gastar até 25 euros e 16% prevê gastar entre 25 e 50 euros), de acordo com os dados revelados por um estudo da Klarna.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Angola estuda impacto social de fim dos subsídios ao preço dos combustíveis

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.