Banco de Portugal assina carta europeia sobre igualdade, diversidade e inclusão

Na carta, os bancos centrais comprometem-se a promover a igualdade de direitos e oportunidades das suas equipas.

O Banco de Portugal assinou, esta terça-feira, a Carta para a Igualdade, Diversidade e Inclusão do Sistema Europeu de Bancos Centrais e do Mecanismo Único de Supervisão, hoje publicada pelo Banco Central Europeu.

Nesta carta, os bancos centrais comprometem-se, “enquanto empregadores, a promover a igualdade de direitos e oportunidades, a diversidade das suas equipas e culturas de trabalho inclusivas, em linha com os direitos fundamentais consagrados no Tratado da União Europeia”.

“Este compromisso, público e voluntário, resulta também do reconhecimento de que ambientes de trabalho diversos e inclusivos constituem uma mais-valia na concretização da missão confiada aos bancos centrais e às autoridades de supervisão na União Europeia, ao serviço de populações com histórias, línguas e culturas diversas”, aponta o Banco de Portugal em comunicado.

Além do mais recente compromisso, o Banco de Portugal é também “membro fundador da ESCB & SSM Diversity Network, uma rede dinamizada pelo Banco Central Europeu que tem como objetivos potenciar a colaboração entre os membros do Sistema Europeu de Bancos Centrais e do Mecanismo Único de Supervisão e fomentar a partilha de boas práticas na promoção da igualdade”.

Recomendadas

Sindicato denuncia que administração da Caixa quer fechar mais 23 agências (com áudio)

O banco estatal registou lucros de 486 milhões no primeiro semestre de 2022. Sindicato recorda que a CGD já encerrou mais de 300 agências em Portugal.

Banco do Brasil regista lucro recorde no primeiro semestre

O banco público, cujas ações são negociadas na bolsa de São Paulo, atribuiu o seu resultado histórico semestral ao salto na carteira de empréstimos graças à recuperação económica a que o país tem assistido até agora este ano.

Autoridade da Concorrência de Itália aplica multa de 5 milhões à Generali e UnipolSai

A AGCM acusou as duas empresas de “conduta enganosa e agressiva” por “atenderem tardiamente, no que se refere aos prazos estabelecidos pela regulamentação do setor, a inúmeras instâncias” apresentadas por clientes.
Comentários