Banco de Portugal: empréstimos concedidos pelos bancos descem 0,8% no mês de outubro

No mês de outubro os empréstimos concedidos pelos bancos a sociedades não financeiras apresentaram uma taxa de variação anual (tva) de -0,8%, comparado com os -0,3% registados em setembro.

Cristina Bernardo

Os empréstimos concedidos pelos bancos a sociedades não financeiras representaram uma taxa de variação anual (tva) de -0,8%, comparado com os -0,3% registados em setembro. Esta taxa de -0,8% verificou-se também nos empréstimos a particulares (setor da habitação) valor semelhante ao observado no mês anterior, de acordo com uma nota divulgada pelo Banco de Portugal esta terça-feira.

No conjunto da área do euro, as tva nos empréstimos a sociedades não financeiras e a particulares foram de 2,8% e 3,3%, respetivamente, quando em setembro, ambas tinham totalizado 3,2%.

Em relação aos depósitos de particulares nos bancos residentes registou-se um total de 141,8 mil milhões de euros no final de outubro de 2018, refletindo uma tva de 2,1%. O indicador diminuiu 0,6 pp face a setembro. Já na área do euro, a tva dos depósitos de particulares foi de 4,0% em outubro, ligeiramente acima dos 3,9% de setembro.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários