Banco do Japão contraria mercado e mantém juros inalterados

Ao contrário do que vinham antecipando investidores e analistas depois da surpresa da reunião de novembro, a política monetária japonesa acabou por permanecer praticamente inalterada, tendo sido anunciado apenas um instrumento para evitar a subida descontrolada dos juros de longo-prazo.

Toru Hanai/Reuters

O Banco do Japão contrariou a expectativa dos mercados e deixou inalterados os parâmetros de política monetária, isto depois da decisão surpreendente da reunião anterior, quando duplicou o limite máximo dos juros a pagar nos títulos a dez anos.

A reunião de quarta-feira penalizou muito o iene, a moeda local, que vinha tocando máximos de quase um ano com a perspetiva de menos estímulos do banco central numa economia que se tem debatido com a estagnação económica nos últimos anos.

Na antecâmara da reunião, os títulos a dez anos japoneses quebraram a barreira de 0,5% definida pelo banco central, chegando a 0,54% e colocando mais pressão sobre os responsáveis de política monetária para defenderem esta decisão surpreendente. Assim, o Banco do Japão apresentou um novo instrumento para manter as taxas dentro deste limite, ainda que “sem afetar diretamente a procura e oferta” no mercado de obrigações, afirmou o governador do banco.

Haruhiko Kuroda, o líder do Banco do Japão, presidirá apenas a mais uma reunião de política monetária, pelo que os analistas antecipam que não deva haver grandes alterações até abril, data da sua saída. Ainda assim, as medidas agora anunciadas reforçam o compromisso da autoridade monetária nipónica com o combate à inflação.

Os investidores vinham apostando forte numa mudança de política pelo banco central nipónico, visto que a inflação, embora muito longe dos valores registados na Europa e EUA, também está em máximos de 30 anos. O indicador chegou a 3,8% em novembro, depois de ficar em 3,7% em outubro.

Relacionadas

Banco do Japão revê em baixa perspetivas económicas

O banco prevê que a inflação neste ano fiscal aumente para os 3%, um décimo de ponto percentual acima do anteriormente estimado e bem acima da meta inicialmente definida de 2%.
Recomendadas

EDP Renováveis mantém negociações do PSI em baixo

A maioria dos principais índices europeus seguem a mesma linha que Portugal, estando a negociar em terreno negativo.

Sector energético pressiona PSI. Lisboa abre no ‘vermelho’

A EDP Renováveis e a Greenvolt são as cotadas a perder mais terreno, recuando mais de 1% na abertura da última sessão da semana.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Os índices de gestores de compras para a zona euro e Reino Unido são divulgados no dia a seguir a nova subida dos juros na economia britânica, que destoa da tendência menos negativa do que o temido no resto o continente e parece mesmo estar em recessão.
Comentários