Banco do Japão revê em baixa perspetivas económicas

O banco prevê que a inflação neste ano fiscal aumente para os 3%, um décimo de ponto percentual acima do anteriormente estimado e bem acima da meta inicialmente definida de 2%.

O Banco do Japão (BOJ) reviu hoje em baixa as perspetivas para a economia nipónica, que espera crescer 1,9% no ano fiscal de 2022 (que termina a 31 de março) contra os 2% da estimativa anterior.

A visão mais pessimista é justificada pelo impacto dos “preços elevados das mercadorias e do abrandamento das economias estrangeiras”.

Embora o BOJ acredite que a economia japonesa irá recuperar a médio prazo, as previsões são menos animadoras, principalmente devido ao esperado abrandamento económico global e à progressiva perda de eficácia das medidas económicas adotadas em resposta a esse abrandamento, afirma-se no relatório.

O banco central também baixou a previsão do crescimento do produto interno bruto (PIB) para o ano fiscal de 2023, esperando que a economia nacional cresça 1,7%, em comparação com os 1,9% anteriormente estimados, e desceu a previsão para o ano fiscal de 2024 de 1,5% para 1,1%.

Por outro lado, o banco prevê que a inflação neste ano fiscal aumente para os 3%, um décimo de ponto percentual acima do anteriormente estimado e bem acima da meta inicialmente definida de 2%.

Apesar da aceleração da inflação e ao contrário da tendência verificada entre outras instituições de referência como a Reserva Federal dos EUA (Fed) e o Banco Central Europeu (BCE), o BOJ optou novamente por manter a política monetária, uma vez que considera que esta inflação é de natureza importada e transitória.

Recomendadas

Governo diz que concurso internacional para SIRESP permitiu economizar 30% da despesa prevista

As empresas vencedoras do concurso público internacional foram a Motorola, NOS, OMTEL, No Limits, Moreme e Altice Labs.

“Valorização dos salários é crítica”, reconhece ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Ana Mendes Godinho garante que o governo continuará a implementar medidas suplementares para a valorização do salário e, nesse sentido, anunciou que já em março vai ser lançada uma iniciativa dirigida às empresas que contratem jovens com contratos permanentes e um valor mínimo de 1.320 euros de vencimento. As empresas serão apoiadas pelo Estado no pagamento desse vencimento.

Descida da inflação permite corte de 2,5% em Angola

A consultora Oxford Economics Africa considerou este sábado que a descida da inflação para 12,2% durante este ano dará espaço ao banco central de Angola para descer a taxa de juro para 250 pontos base.
Comentários