Banco Efisa entra em dissolução

O banco Efisa, que pertencia ao universo BPN, entrou em dissolução, de acordo com um documento hoje divulgado no ‘site’ de publicações do Ministério da Justiça.

De acordo com esse documento, que data desta terça-feira, foi apresentado um pedido de registo da dissolução da entidade, cujo processo de venda falhou ao longo dos anos.

Segundo o jornal Eco, o plano de liquidação do Efisa foi aprovado pelo Banco de Portugal já no final deste ano, tendo a Partparticipadas, veículo que detinha o banco na sequência da nacionalização do BPN, avançado à publicação que antecipava um período de 12 meses para a “execução e conclusão” deste plano.

A Parparticipadas já tinha tentado vender o Efisa, tendo mesmo, em 2019 anunciado em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM),que tinha “celebrado contrato de compra e venda de ações, destinado à venda da sua participação de 100% no capital social do Banco Efisa, S.A., pelo valor de 27 milhões de euros” à IIB Group Holdings, negócio que acabou por não se concretizar.

Antes disso, em abril de 2017 foi cancelada a alienação à empresa Pivot (com ligações a Miguel Relvas, ex-ministro do PSD/CDS-PP do governo de Passos Coelho).

O Efisa era o banco de investimento do BPN, detido até agora pela ‘holding’ estatal Parparticipadas.

Recomendadas

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.

Taxa média dos novos depósitos atinge 0,35%, a mais baixa da zona euro

Enquanto a remuneração dos depósitos continua baixa, a taxa de juro dos novos empréstimos para a compra de casa fixou-se em 3,24% em 2022, um máximo desde julho de 2014.

CEO do Santander Totta revela que são “poucos milhares” com crédito à habitação em risco de incumprimento

No entanto, Pedro Castro e Almeida deixou um alerta: “Se os juros subirem para 4%, vamos ter muito mais reestruturações”. Nesse cenário, este responsável acredita que a economia vai “arrefecer”, adiantando ainda que esse arrefecimento pode ser benéfico para Portugal.
Comentários