Banco Montepio paga apoio extraordinário de até 600 euros aos colaboradores (com áudio)

O banco vai pagar em dezembro um apoio extraordinário de 600 euros para colaboradores com retribuição mensal efetiva ilíquida (equivalente ao subsídio de férias ou Natal) até 1.500 euros, e de 400 euros em caso de retribuição entre 1.500 e 2.500 euros.

O CEO do Montepio, Pedro Leitão, participa na 6.ª edição da Money Conference “Recessão, Resiliência ou Sobrevivência? 2022, o ano da guerra”, esta manhã em Lisboa, 10 de novembro de 2022. MIGUEL A. LOPES/LUSA

O Banco Montepio vai pagar, em dezembro, um apoio extraordinário aos seus colaboradores para responder à escalada da inflação e perda de poder de compra. Para quem recebe um salário bruto de até 1.500 euros, este apoio será de 600 euros, baixando para 400 euros nos casos em que o rendimento varia entre 1.500 e 2.500 euros.

“O Banco Montepio, considerando a subida acentuada da inflação e o consequente impacto na vida das famílias, aprovou um conjunto de medidas que incluem um apoio financeiro pontual e extraordinário, bem como a revisão de vários benefícios”, diz o banco num comunicado divulgado esta segunda-feira.

Além de ir processar “no próximo mês de dezembro de um apoio extraordinário de 600 euros para colaboradores com retribuição mensal efetiva ilíquida (equivalente ao subsídio de férias ou Natal) até 1.500 euros, e de 400 euros em caso de retribuição entre 1.500 e 2.500 euros”, foram ainda adotadas outras medidas.

No crédito à habitação para os colaboradores, o banco aumentou o “plafond individual para 200.000 euros nas novas operações do processo ACT de 2023″, tendo ainda reforçado o “plafond global desta linha de crédito, o que permitirá abranger maior número de pedidos de colaboradores”.

O Montepio abre ainda a porta à “possibilidade de alargamento do prazo até 70 anos de idade (com limite de 40 anos de maturidade), em situações comprovadas de agravamento acentuado no rendimento familiar”.

“Foram ainda aprovadas outras medidas associadas aos créditos a colaboradores, para mitigação do agravamento das condições económicas, nomeadamente a possibilidade de alargamento de prazos e o acesso ao crédito Multifunções para consolidação de créditos e saneamento financeiro”, refere no comunicado.

Quanto ao apoio escolar a filhos de trabalhadores, o banco diz ir renovar, em 2023, o apoio complementar a todos os níveis de ensino, subsídio de material e de alojamento; avançar com o pagamento em dezembro do subsídio de material e de um trimestre de complemento escolar e introduzir o novo apoio “Prémio de Excelência Escolar”.

Têm sido vários os bancos a adotar medidas de apoio aos seus colaboradores para ajudar a responder ao contexto atual de subida dos custos. Por exemplo, o BCP vai pagar 500 euros a todos os trabalhadores que não tenham veículo atribuído, enquanto a Caixa Geral de Depósitos vai realizar um pagamento extraordinário de 600 a 900 euros aos trabalhadores que recebam até 2.700 euros por mês, consoante o salário de cada um.

Recomendadas

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.
Comentários