Banco Mundial alerta que recessão global parece “inevitável”

“A ideia de duplicar os preços da energia é suficiente para desencadear uma recessão por si só”, garantiu o presidente do Banco Mundial, David Malpass.

A invasão da Ucrânia pela Rússia fez com que os preços subissem de tal forma que uma recessão poderá ser inevitável, explicou o presidente do Banco Mundial, David Malpass.

“Ao olharmos para o PIB global é difícil ver como evitaremos uma recessão”, disse David Malpass, segundo a “Reuters”. “A ideia de duplicar os preços da energia é suficiente para desencadear uma recessão por si só”, garantiu.

Malpass apontou o impacto negativo do aumento dos preços dos alimentos, energia e fertilizantes, em particular. Os preços do petróleo bruto subiram 20% desde que a Rússia atacou a Ucrânia no final de fevereiro e os preços da gasolina aumentaram tanto nos EUA que os pedidos por gasolina estão a cair.

Por sua vez, a carne moída, óleo de girassol e trigo subiram de preço, com os analistas a preverem um período prolongado de inflação de alimentos. Enquanto isso, o índice de preços de fertilizantes da Green Markets North America aumentou 14% desde o começo da guerra.

Segundo Malpass os países em desenvolvimento são os mais propensos a mergulhar em recessão devido ao aumento dos preços de alimentos, energia e fertilizantes.

“É uma perspectiva muito difícil e desafiadora para as economias avançadas, mas ainda mais para os países em desenvolvimento”, assegurou.

Em abril o Banco Mundial mudou a sua previsão de crescimento global em 2022 de 4,1% para 3,2%, citando o impacto da invasão da Rússia no Produto Interno Bruto.

“Os países estão sob grave stress financeiro”, disse Malpass na altura, acrescentando que “sessenta por cento dos países de baixa renda já estão com dívidas ou em alto risco disso”.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Presidentes dos EUA e da China deverão falar nas próximas semanas

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o seu homólogo chinês, Xi Jinping, “terão a oportunidade de conversar nas próximas semanas”, afirmou Sullivan, sem especificar a forma nem a data desta reunião.

NATO aumenta número de tropas “em prontidão” de 40 mil para 300 mil

Na cimeira de Madrid, a NATO também vai alterar a postura que mantém sobre a Rússia que, na última publicação da estratégia da aliança, em 2010, ainda era descrita como “parceiro estratégico”.
Comentários