Banco Mundial alerta que recessão global parece “inevitável”

“A ideia de duplicar os preços da energia é suficiente para desencadear uma recessão por si só”, garantiu o presidente do Banco Mundial, David Malpass.

A invasão da Ucrânia pela Rússia fez com que os preços subissem de tal forma que uma recessão poderá ser inevitável, explicou o presidente do Banco Mundial, David Malpass.

“Ao olharmos para o PIB global é difícil ver como evitaremos uma recessão”, disse David Malpass, segundo a “Reuters”. “A ideia de duplicar os preços da energia é suficiente para desencadear uma recessão por si só”, garantiu.

Malpass apontou o impacto negativo do aumento dos preços dos alimentos, energia e fertilizantes, em particular. Os preços do petróleo bruto subiram 20% desde que a Rússia atacou a Ucrânia no final de fevereiro e os preços da gasolina aumentaram tanto nos EUA que os pedidos por gasolina estão a cair.

Por sua vez, a carne moída, óleo de girassol e trigo subiram de preço, com os analistas a preverem um período prolongado de inflação de alimentos. Enquanto isso, o índice de preços de fertilizantes da Green Markets North America aumentou 14% desde o começo da guerra.

Segundo Malpass os países em desenvolvimento são os mais propensos a mergulhar em recessão devido ao aumento dos preços de alimentos, energia e fertilizantes.

“É uma perspectiva muito difícil e desafiadora para as economias avançadas, mas ainda mais para os países em desenvolvimento”, assegurou.

Em abril o Banco Mundial mudou a sua previsão de crescimento global em 2022 de 4,1% para 3,2%, citando o impacto da invasão da Rússia no Produto Interno Bruto.

“Os países estão sob grave stress financeiro”, disse Malpass na altura, acrescentando que “sessenta por cento dos países de baixa renda já estão com dívidas ou em alto risco disso”.

Recomendadas

Presidente francês e primeiro-ministro grego oferecem ajuda à Turquia e à Síria

Vários outros países já disponibilizaram a sua ajuda, nomeadamente a Índia, Rússia, Países Baixos, Alemanha, Azerbaijão, enquanto a Comissão Europeia anunciou que está a coordenar o envio de equipas de resgate.

Turquia: Suspensos trabalhos nos oleodutos depois de sismo desta segunda-feira

A violência do abalo levou a que fosse suspenso o fluxo de petróleo num dos principais oleodutos turcos, isto após o sismo da madrugada de segunda-feira, que já vitimou mais de 500 pessoas.

ONU na Síria prepara coordenação de assistência nas áreas afetadas pelo sismo

O Centro Nacional de Monitorização Sísmica da Síria disse que o terremoto, que ocorreu perto da fronteira da Turquia com a Síria, foi o “mais forte” registado pelos sistemas sírios desde que entraram em funcionamento, em 1995.
Comentários