Banco Mundial revê crescimento da África subsaariana em baixa para 3,3% este ano

“Os ventos contrários globais estão a abrandar o crescimento económico africano, com os países a continuarem a lidar com a subida da inflação e as dificuldades no progresso na redução da pobreza”, lê-se no relatório Pulsar de África, hoje divulgado em Washington, nas vésperas dos Encontros Anuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

O Banco Mundial reviu em baixa a previsão de crescimento para a África subsaariana, antecipando uma expansão de 3,3%, abaixo dos 4,1% de 2021, e defendeu a “necessidade urgente” de restaurar a estabilidade macroeconómica.

“Os ventos contrários globais estão a abrandar o crescimento económico africano, com os países a continuarem a lidar com a subida da inflação e as dificuldades no progresso na redução da pobreza”, lê-se no relatório Pulsar de África, hoje divulgado em Washington, nas vésperas dos Encontros Anuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

“O crescimento económico na África subsaariana deverá desacelerar de 4,1% em 2021 para 3,3% este ano, o que representa uma revisão em baixa de 0,3 pontos percentuais desde a previsão de abril, principalmente em resultado do abrandamento do crescimento mundial, incluindo a redução da procura chinesa de matérias-primas produzidas em África”, acrescenta-se no relatório que analisa a economia desta região africana.

A África subsaariana, dizem os economistas do Banco Mundial, está a ser muito prejudicada pela guerra da Rússia na Ucrânia, que fez com que a inflação ficasse acima dos 5% em 29 dos 33 países da região com informação atualizada, com 17 países a registarem um aumento dos preços a dois dígitos.

“Esta tendência compromete os esforços para a redução da pobreza, que já tinham sido abalados pelo impacto da pandemia de covid-19”, comentou o economista chefe do Banco Mundial para África, Andrew Dabalen, citado no comunicado de imprensa.

Defendendo uma “ação urgente” por parte dos decisores políticos para proteger os mais vulneráveis, o responsável apontou que é preciso “restaurar a estabilidade macroeconómica e apoiar as famílias mais pobres, e reorientar a despesa em alimentos e agricultura para garantir uma resiliência futura”.

Sobre a dívida pública, o Banco Mundial diz que “vai continuar elevada, de 58,6% do PIB este ano”, a acrescenta que os governos africanos gastaram 16,5% da sua receita a pagar a dívida externa no ano passado, quando em 2010 a percentagem das receitas que servia para servir a dívida estava em menos de 5%.

“Oito dos 38 países elegíveis para a IDA estão com dívida problemática [‘debt distress’, no original em inglês], e outros 14 estão em risco de se juntarem; ao mesmo tempo, os elevados custos de financiamento comercial torna difícil para esses países financiarem-se nos mercados nacionais e internacionais, num contexto em que o aperto das condições monetárias está a enfraquecer as moedas e a aumentar os custos de endividamento externo para os países africanos”, lê-se ainda no relatório.

Recomendadas

Primeiro-ministro de Cabo Verde quer acordo de competividade a médio prazo entre patrões e sindicatos

“Apesar das crises e ultrapassando as crises com muita resiliência, nós estamos a construir a retoma e o relançamento com forte suporte do setor privado”, afirmou o chefe do Governo, na abertura do debate mensal no parlamento, na Praia, neste caso dedicado ao tema “O Setor Privado na estratégia de desenvolvimento sustentável de Cabo Verde”.

Ndambi Guebuza, filho de ex-Presidente moçambicano, condenado a 12 anos de prisão

O tribunal considerou provado que o filho do ex-presidente Guebuza recebeu subornos para influenciar o pai a aprovar o projeto de proteção costeira, usado para a angariação do dinheiro que alimentou as dívidas ocultas.

São Tomé e Príncipe. Contrato que envolve três portos são-tomenses “lesa interesses do país”, diz Patrice Trovoada

“Não posso deixar de dizer as coisas: é um contrato leonino que não serve os interesses do país”, declarou o primeiro-ministro são-tomense, em entrevista à Lusa em Lisboa.
Comentários