Banco Mundial revê em baixa crescimento do Brasil (com áudio)

A economia brasileira deverá crescer 0,7% este ano, uma revisão em baixa em relação ao último relatório, que previa um crescimento de 1,4%. Em ano de eleições, não são boas notícias para o atual presidente.

A economia brasileira deverá crescer 0,7% este ano, uma revisão em baixa em relação ao último balanço, que previa um crescimento de 1,4%, segundo um relatório divulgado esta quinta-feira pelo Banco Mundial.

De acordo com o relatório América Latina e do Caribe, o Brasil é, entre 28 países analisados (ficou de fora a Venezuela), o segundo que menos crescerá, ficando apenas atrás do Haiti. Para 2023, a instituição prevê que a economia brasileira cresça 1,3% e no ano seguinte 2%.

Em ano de eleições, em novembro próximo, a revisão em baixa do crescimento não é uma boa notícia para o atual presidente, Jair Bolsonaro, que tenta vencer mais uma vez. O impacto da pandemia no Brasil foi muito intrusivo e a economia ressentiu-se disso ao longo dos últimos dois anos.

Nos meses mais recentes, Bolsonaro – a braços com uma crise governamental que se foi mantendo ao longo da sua presença no cargo – tem tentado inverter a degradação da economia. Mas, se o aumento de algumas commodities pode ser um benefício – nomeadamente as alimentares – o certo é que o crescimento da inflação terá um grande impacto, num país onde a classe média encolher muito relativamente à década anterior.

Bolsonaro, que está longe de comandar as sondagens sobre intenções de voto, tem pela frente a poderosa concorrência do ex-presidente Inácio Lula da Silva – que, a acreditar-se nos estudos de mercado, permanece mais ou menos imbatível, seja quem for o adversário.

O Banco Mundial reduziu também a sua projeção de crescimento económico para a América Latina e Caraíbas de 2,6% para 2,3% para este ano, face à incerteza devido ao coronavírus, à elevada inflação e à guerra na Ucrânia.

As restrições ao comércio com a Rússia, devido a sanções impostas por causa da invasão à Ucrânia, são também um fator de desestabilização económica no Brasil.

O Banco Mundial recorda que o Brasil, uma potência agrícola, compra grande parte do seu fertilizante da Rússia.

A instituição lembra também que “alguns grandes fabricantes, como a Embraer, estão a perder grandes mercados porque estão a suspender as suas exportações e assistência técnica ao setor aeronáutico russo”.

Relacionadas

Brasileiros não tiram máscara por politização e receio de associação a Bolsonaro

Desde o início da pandemia, Bolsonaro tem mostrado e tomado posições públicas contrárias à generalidade das recomendações científicas no combate à covid-19, minimizando a sua gravidade e questionando a eficácia das máscaras e das vacinas.
Recomendadas

Costa defende carros híbridos até 2040 para UE não perder apoio dos cidadãos

O primeiro-ministro explicou esta sexta-feira que Portugal defende um prolongamento do prazo para a proibição da venda de veículos novos com motor 100% a combustão para acautelar “o suporte” dos cidadãos, sem afetar as metas do pacote climático europeu.
médicos

“Sangue nas mãos”: médicos condenam a reversão do direito ao aborto nos EUA

Numa declaração assinada por mais de 100 organizações globais de saúde especialistas disseram que a decisão do Tribunal Supremo dos EUA foi “um golpe catastrófico” para milhões.

Revogação do aborto nos EUA. Trump diz que foi “decisão de Deus”

Trump aproveitou também para deixar uma mensagem aos apoiantes de que a reversão de Roe v. Wade “funcionará para todos”.
Comentários