Banco Popular pagou 4 milhões a novo presidente… que não chegou a aquecer o lugar

“El Mundo” conta como Emílio Saracho recebeu um prémio de 4 milhões de euros para aceitar ser presidente do Popular, poucos meses antes da resolução do banco espanhol.

A situação difícil em que o Banco Popular se encontrava no final do ano passado levou o banco espanhol a tentar contratar um gestor “estrela” que fosse capaz de manter a confiança dos investidores. O escolhido foi Emílio Saracho, um banqueiro espanhol que trabalhava no JP Morgan, que, segundo o “El Mundo”, recebeu um prémio de quatro milhões de euros pelo simples facto de aceitar o convite para liderar o Popular. O problema é que Saracho não chegou a aquecer o lugar, apesar de ter recebido o prémio, conta o diário madrileno.

Há precisamente um ano, o Popular debatia-se com os graves problemas que acabariam por conduzir à sua resolução e venda ao Santander (por um euro), em junho de 2017. Na altura, a situação do banco espanhol já era conhecida nos bastidores do setor financeiro e o conselho de administração procurava substituir Ángel Ron por um banqueiro com boa reputação nos mercados internacionais. São estas circunstâncias que explicam a cláusula generosa apresentada a Emílio Saracho, um banqueiro espanhol que trabalhava no JP Morgan e que pretendia regressar ao país natal.

O contrato de Emílio Saracho (fonte: “El Mundo”)

Mas o prémio de quatro milhões de euros não era a única exigência de Saracho. Além de um salário de 1,5 milhões de euros, acrescido de prémios de desempenho e um seguro de vida, o banqueiro exigiu ainda um prazo de dois meses para decidir se assumia, ou não, a presidência do Popular. Segundo o “El Mundo”, O banco pagou o prémio de 4 milhões e aceitou as outras exigências do gestor “estrela”, que no entanto não conseguiu evitar o colapso do banco.

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Os EUA divulgam os dados da criação de emprego em novembro. O mercado laboral norte-americano continua a surpreender pela positiva e a dar sinais de vitalidade face à forte subida de juros iniciada este ano pela Fed, embora comecem a surgir algumas dúvidas quanto à sua resistência.

Fitch: Crise energética e custo de financiamento conduzem a recessão na Europa Ocidental ainda este ano

A agência de rating estima que o crescimento real médio do PIB da região é de apenas 0,8% em 2023, significativamente abaixo dos 3,8% em 2022. “Acreditamos que a zona do euro entrará em recessão a partir do quatro trimestre de 2022”, acrescenta.

Circulação paga do Jornal Económico dispara 23% desde janeiro

A subida da circulação paga do Jornal Económico contraria a tendência do sector e deveu-se às assinaturas digitais, que tiveram um crescimento de 2,9%, mas também às vendas da edição impressa, que registaram um aumento de 19% face ao primeiro trimestre do ano. Este desempenho compara com a descida de 5,8% na circulação paga do líder de mercado, o “Jornal de Negócios”.
Comentários