Banco de Portugal reduz almofada para risco sistémico ao Novo Banco

O regulador actualizou para 2016 a identificação de instituições de importância sistémica (O-SIIs) e respectiva imposição de uma reserva de fundos próprios. O Novo Banco tem menos risco sistémico.

Cristina Bernardo

O Banco de Portugal apresentou a mais recente designação dos grupos bancários identificados como O-SIIs (Other Systemically Important Institutions) em 2016 e as respetivas reservas de fundos próprios em percentagem do montante total das posições em risco.

Para a Caixa Geral de Depósitos já tinha sido determinado 1% de buffer para risco sistémico; para o BCP 0,75%; para o Novo Banco 0,50%; para o Banco BPI 0,50%; para o Santander Totta 0,50% e para a Caixa Económica Montepio Geral 0,25%.

O Novo Banco tinha inicialmente destinada uma almofada de 0,75% e passa a ter apenas de constituir no capital uma almofada de 0,50% em percentagem do montante total das posições em risco.

Esse novo ‘buffer’ (almofada) de capital é uma segurança que o BCE exige a bancos que têm risco sistémico.

“As metodologias de identificação e calibração não se alteraram face ao exercício anterior”, explica o Banco de Portugal.

“As reservas de O-SII para cada um dos grupos bancários mantêm-se estáveis face à última decisão do Banco de Portugal reportada a 29 de julho de 2016, exceto para o Novo Banco: dado o decréscimo de score obtido por esta instituição no referido exercício de identificação, ser-lhe-á exigida uma reserva de fundos próprios menor, em linha com a metodologia de calibração adotada”, explica o regulador.

Sendo que o calendário mantêm-se. Metade da almofada tem de estar constituída em Janeiro de 2018, e a totalidade a 1 de janeiro de 2019.

“O Banco de Portugal, no âmbito do processo de revisão anual do processo de identificação de O-SIIs e da imposição de uma reserva de fundos próprios, bem como no exercício das suas competências enquanto autoridade macroprudencial nacional decidiu impor uma reserva de fundos próprios às instituições identificadas como O-SIIs”, diz o regulador em comunicado.

“Para este efeito, conforme previsto nas disposições legais e regulamentares, procede-se à divulgação da designação dos grupos bancários identificados como O-SIIs em 2016 e as respetivas reservas de fundos próprios em percentagem do montante total das posições em risco”, diz o Banco de Portugal.

“Esta reserva deverá ser constituída por fundos próprios principais de nível 1 em base consolidada e deverá ser cumprida nos seguintes termos: 50% e 100% em 2018 e 2019 respetivamente”, diz o BdP.

“Esta reserva será revista anualmente ou caso ocorra um processo de restruturação significativo, nomeadamente uma fusão ou aquisição”, explica a instituição liderada por Carlos Costa.

 

Relacionadas

Novo Banco reduz custos com corte de mais de 25% das estruturas de topo

O Novo Banco simplificou a estrutura da organização ao nível dos gestores de primeira linha, reduzindo dez estruturas centrais, o que corresponde a uma diminuição de 25,6% nas estruturas de topo do banco.
Recomendadas

Fitch melhora perspetiva do rating do BCP

A mudança de perspectiva para o rating do BCP reflete, em parte, uma maior clareza em torno do provisionamento necessário para cobrir os riscos legais do Bank Millennium com empréstimos hipotecários denominados em francos suíços, na Polónia.

Sindicatos dos Quadros e SIB pedem apoio extraordinário para bancários no ativo

Ainda sobre as medidas do Governo de apoio para fazer face à inflação, o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) e o SIB (Sindicato Independente da Banca) pedem parecer sobre constitucionalidade do apoio aos pensionistas e exigem apoio extraordinário para bancários no ativo.

Rácio de crédito malparado na banca melhora para 3,4% no segundo trimestre

A queda “reflete a diminuição dos NPL (-4,0%) e o aumento dos empréstimos produtivos (+1,8%)”, explica o supervisor da banca. A rentabilidade também melhorou.
Comentários