Bancos da CGD na África do Sul, Brasil e Espanha poderão ser privatizados

Antes de avançar com a venda dessas unidades, a instituição liderada por Paulo Macedo está dependente de um diploma legislativo.

Os bancos da Caixa Geral de Depósitos na África do Sul, no Brasil e em Espanha poderão ter de ser privatizados quando forem vendidos, revela o Jornal de Negócios esta segunda-feira.

Ainda assim, antes de avançar com a venda dessas unidades, a instituição liderada por Paulo Macedo está dependente de um diploma legislativo. O banco público explicou ao mesmo matutino que as operações na África do Sul, no Brasil e em Espanha são as que necessitam desse ‘aval político’.

Em causa está o “facto de a Caixa Geral de Depósitos ser uma entidade 100% pública”, de acordo com o que explicou a entidade bancária ao diário de economia, sendo que se tem de reger pela Lei–Quadro das Privatizações. No entanto, a possibilidade de os funcionários terem direito a parte do capital dessas unidades “dependerá do enquadramento que venha a ser definido na Lei”.

Questionado pelo Jornal de Negócios sobre o assunto, o Ministério das Finanças recusou-se a responder como será o processo de venda destes bancos no estrangeiro.

Relacionadas

PSD vota contra relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito à atuação do Governo na CGD

O deputado social-democrata afirmou nesta quinta-feira que “o PSD vai avançar com uma proposta de alteração à lei” que, entre outros aspetos “garanta que o objeto dos inquéritos potestativos não é susceptível de recusa ou apreciação restritiva pela maioria”.

Relatório do Banco de Portugal afasta risco de uma bolha imobiliária rebentar no balanço dos bancos

Saiu o Relatório de Estabilidade Financeira onde o Banco de Portugal alerta para vulnerabilidades e riscos da banca. Uma das mensagem é a necessidade crucial de prosseguir o esforço de redução da dívida pública, assente no reforço do caráter estrutural da consolidação orçamental, e o esforço de desalavancagem das famílias e das empresas em Portugal, tirando partido do enquadramento macroeconómico e financeiro favorável.
Recomendadas

IGCP realiza na quarta-feira leilões de dívida a três e nove anos de até 1.000 milhões de euros

O IGCP anunciou hoje que vai realizar em 12 de outubro dois leilões de Obrigações do Tesouro (OT) a três e nove anos com montante indicativo entre 750 e 1.000 milhões de euros.

Credit Suisse recompra dívida própria no montante de 3 mil milhões

O Credit Suisse anunciou que irá comprar 3 mil milhões de francos suíços (3.094 milhões de euros) de dívida própria até meados de novembro. Entretanto a agência de rating Moody’s prevê que o Credit Suisse vai fechar este ano com prejuízos de 3 mil milhões de dólares o que pressionará o seu rácio de capital CET1.

PremiumCaixaBI põe a mira nas PME para fusões e aquisições

A instabilidade na economia e nos mercados traz riscos, mas também oportunidades, abrindo a porta a mais fusões e aquisições. Esta é a visão do CaixaBI, que está a abordar empresas nacionais mais pequenas que queiram crescer cá dentro ou lá fora.
Comentários