Bancos de investimento vão dar bónus chorudos este ano, mas não na Europa

“Os bancos europeus são os cidadãos de segunda classe no mundo da banca e, como tal, são pagos dessa forma: menos e menos a cada ano”, explicou o CEO do Kennedy Group, Jason Kennedy.

Daniel Munoz/Reuters

Os bancos de investimento e traders na Europa deverão esperar os piores bónus em anos, ao contrário do que deverá acontecer nos Estados Unidos, segundo dados divulgados esta quarta-feira pela agência Bloomberg. No caso de traders de fixed-income o corte pode chegar mesmo aos 25%.

“Espero ver reduções por todos os bancos na Europa”, afirmou o partner da empresa de serviços financeiros PricewaterhouseCoopers, Jon Terry, à agência. “Os resultados não foram tão bons como o esperado e já há alguma pressão para reduzir as compensações, em vez de as manter. O que estamos a ver em 2017 são esses dois fatores conjugados”.

A necessidade de cortar custos define-se como um desafio adicional para os bancos de investimento na Europa, que têm tido dificuldades em captar talento face à concorrência norte-americana. Alguns bancos, como o Barclays, o Deutsche Bank ou o Credit Suisse, têm cortado os bónus nos últimos anos, especialmente no setor de fixed-income. Em contrapartida, o setor de M&A poderá fugir à tendência.

No caso do Barclays, o presidente Tim Throsby já anunciou que vai reduzir os bónus este ano e mesmos os aumentos salariais não deverão abranger todos os departamentos, para encorajar a “competição”. Tidjane Thiam, do Credit Suisse, disse aos funcionários para não esperarem ganhos “espetaculares”.

Apesar disso, os funcionários do UBS Group AB, que recebe fees de aconselhamento a outros bancos de investimento, poderá conseguir melhores retribuições. Outra exceção à regra, segundo a Bloomberg, será o grupo estatal Royal Bank of Scotland Group.

“Os bancos europeus são os cidadãos de segunda classe no mundo da banca e, como tal, são pagos dessa forma: menos e menos a cada ano”, disse o CEO do Kennedy Group, Jason Kennedy, que contrata bancos de investimento e hedge funds.

Recomendadas

SRS Legal assessora a private equity Gyrus Capital na compra do grupo de tecnologia KRS

A SRS Legal assessorou a Gyrus Capital, um dos principais gestores suíços de fundos de Private Equity, na aquisição do KSR Group (incluindo a subsidiária portuguesa KSR) e do Grupo Xcability (incluindo a subsidiária portuguesa Xcability).

Renegociação de créditos: o que muda com a nova lei? Veja o “Falar Direito”

Nesta edição, que conta com a presença do advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, tentamos perceber o que muda com este diploma para consumidores e banca, numa entrevista conduzida pela jornalista Mariana Bandeira.

Ordem dos Advogados alerta conselhos regionais para “desequilíbrios orçamentais”

Segundo a Ordem dos Advogados, o conselho regional do Porto foi o único entre os sete que existem no país que apresentou um orçamento equilibrado, mas “está em risco de perder as suas instalações”
Comentários