Bancos espanhóis dizem que não cobrarão taxas a depósitos de pequenos clientes

Os bancos espanhóis descartaram a hipótese de cobrar taxas a depósitos dos pequenos clientes, apesar da pressão sobre a margem financeira devido aos juros negativos, enquanto em Portugal a lei impede mesmo os bancos de o fazerem.

Cristina Bernardo

Apesar de já cobrarem a clientes institucionais e corporativos, os responsáveis das entidades financeiras espanholas descartaram cobrar aos pequenos depositantes, ao contrário do que já está a ser feito por alguns outros bancos europeus, caso do que acontece em entidades de Itália, Alemanha ou Dinamarca, ainda que geralmente para novos clientes, noticia hoje a agência de notícias EFE.

O ‘número dois’ do Banco Santander, José Antonio Álvarez, negou que a entidade vá cobrar depósitos de clientes mais pequenos, mas deixou a porta aberta a fazê-lo a grandes clientes.

Já o presidente do CaixaBank, Gonzalo Gortázar, disse que em nenhum caso cobrarão a clientes particulares.

Igualmente contudentes foram os responsáveis do Bankia, José Sevilla, do Bankinter, María Dolores Dancausa, referindo que não cobrarão aos particulares por depósitos.

O Caixabank é dono em Portugal do Banco BPI, o Santander detém o Santander Totta e o Bankinter também tem operação no país.

Em Portugal, ao contrário de outros países europeus, a lei impede os bancos de cobrarem juros negativos nos depósitos, ou seja, impede que os bancos obriguem os clientes a pagarem para terem dinheiro no banco.

Por esse motivo, os bancos portugueses têm-se queixado de que sobretudo os depósitos de grandes clientes institucionais os penalizam, uma vez que não podem cobrar juros e e ainda têm de aplicar o excesso de liquidez no Banco Central Europeu (BCE), que lhes cobra juros para isso.

Para contornar essa proibição, grandes bancos (BCP, Caixa Geral de Depósitos e BPI) estão a aplicar comissões a depósitos de instituições financeiras. Alguns bancos fizeram ainda pedidos de autorização ao Banco de Portugal para poderem cobrar comissões em depósitos de outros grandes clientes, como empresas multinacionais.

Em setembro, o BCE desceu a taxa dos depósitos bancários de -0,40% para -0,50%, aumentando o valor que os bancos pagam para aí aplicar o seu excesso de liquidez (dinheiro que não emprestam), mas introduziu um sistema de dois escalões que possibilita que uma parte do excesso de liquidez do setor não pague este custo, o que deverá poupar milhões de euros aos bancos portugueses.

Recomendadas

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Complemento excecional a pensionistas: SNQTB remeteu nova carta ao Primeiro-Ministro

Depois do OE2023 ter sido aprovado o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários diz que “o Partido Socialista mantém a injustiça em relação aos bancários reformados que foram indevidamente excluídos da atribuição do complemento excecional a pensionistas”.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários