Bancos japoneses ameaçam sair de Londres

Os gestores executivos dos bancos japoneses, incluindo os bancos de investimento Nomura e Daiwa Capital Markets deixaram clara a sua posição numa reunião que teve lugar no passado dia 1 de dezembro junto do ministro da City, Simon Kirby e do ministro de Comercio internacional, Mark Garnier. Avança o FT.

As instituições financeiras japonesas dizem que precisam de clarificação sobre a futura relação do Reino Unido com a União Europeia, caso contrário, começam a retirar-se de Londres no prazo de seis meses.

Os presidentes executivos dos grupos nipónicos, incluindo os bancos de investimento Nomura e Daiwa Capital Markets deixaram clara a sua posicão numa reunião que teve lugar no dia 1 de dezembro com o ministro da City, Simon Kirby e com o ministro do Comercio internacional, Mark Garnier. A notícia é avançada pelo Financial Times e pelo jornal espanhol Expansion.

Os bancos japoneses criam emprego no Reino Unido. As quatro principais entidades empregam mais de 5.000 pessoas. As seguradoras e outros grupos nipónicos também têm milhares de funcionários em Londres.

O problema que mais preocupa o sector financeiro é o passaporte financeiro comunitário. Os bancos contam com o chamado passaporte da UE para operar livremente no mercado de capitais do bloco da zona euro.

Desde que o Reino Unido votou a favor de abandonar a UE, em junho, o principal grupo bancário, o Mitsubishi UFJ, transferiu suas operações para Amsterdão, canalizando para lá parte do pessoal que até agora operava em Londres. Outros bancos japoneses estão a preparar o terreno para aumentar as suas operações na Europa continental.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

Banco de Portugal mantém a zero a exigência aos bancos de um “reserva contracíclica de fundos próprios”

O Banco de Portugal revelou o tradicional comunicado sobre a reserva contracíclica de fundos próprios, desta vez relativa ao 4.º trimestre de 2022. O supervisor vai manter a dispensa de constituição de reserva contracíclica para a banca no quatro trimestre deste ano, à semelhança do que sucedeu nos anteriores.

Merlin Properties compra sede do Novobanco na Avenida da Liberdade por 112 milhões

A informação do comprador foi confirmada pela entidade bancária esta sexta-feira em comunicado, depois de já ter avançado com o valor do negócio nas últimas semanas.
Comentários