Bancos libaneses reabrem portas na segunda-feira só para serviços específicos

A decisão de reabrir, embora com limitações “a determinar por cada banco”, de acordo com a declaração da Associação Bancária, foi atribuída pela associação à “necessidade de garantir a continuidade dos serviços aos clientes” e de “assegurar os salários dos setores público e privado”.

As agências bancárias libanesas vão reabrir as portas e vão oferecer serviços específicos a partir de segunda-feira, após terem estado fechadas devido a assaltos de aforradores com os depósitos em dólares bloqueados, anunciou este domingo a Associação de Bancos libaneses.

A organização assegurou que os bancos vão reabrir “para as operações de instituições comerciais, educacionais, de saúde e outras e através de caixas automáticas”, dando a entender que vão continuar a não servir particulares aos balcões.

Os bancos do Líbano estão fechados desde 17 de setembro, após vários assaltos a dependências bancárias por depositantes, que procuraram, de forma desesperada, recuperar o seu dinheiro bloqueado pelos bancos devido à crise económica, que já provocou a desvalorização da moeda local em 90%.

A decisão de reabrir, embora com limitações “a determinar por cada banco”, de acordo com a declaração da Associação Bancária, foi atribuída pela associação à “necessidade de garantir a continuidade dos serviços aos clientes” e de “assegurar os salários dos setores público e privado”.

Na nota, a associação lamentava “a ausência de proteção adequada por parte do país”.

O primeiro assalto ocorreu a 11 de agosto, quando um homem armado assaltou uma sucursal bancária, onde esteve durante várias horas, até se entregar à polícia, depois de receber 30 mil dólares para pagar o tratamento do seu pai doente.

Quatro dias depois, este depositante foi libertado, sem acusações, depois de o banco ter retirado a queixa.

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários