Bancos receiam que sistemas informáticos bloqueiem com nova diretiva europeia

Em causa está o impacto da Diretiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros da União Europeia, que entra em vigor em 2018, nas plataformas tecnológicas.

Ralph Orlowski/Reuters

Os bancos têm medo de que os sistemas eletrónicos bloqueiem depois de, no próximo ano, ser introduzida a nova regulamentação europeia sobre instrumentos financeiros. Em causa está o impacto da Diretiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros da União Europeia (MiFID II) nas plataformas tecnológicas.

Além de muitas instituições ainda estarem a tentar adaptar-se à nova diretiva europeia, as empresas estão também preocupadas com a quantidade de tecnologia que esta requer para absorver as normas que o diploma estabelece, de acordo com a “Bloomberg”. Segundo a agência noticiosa há quem compare com o célebre bug Y2K, o crash eletrónico que se previa ocorrer em todos os sistemas informáticos do mundo na passagem do ano de 1999 para o 2000.

“Muitos desses sistemas vão ser lançados no dia 3 de janeiro – literalmente”, afirmou, em entrevista à “Bloomberg”, Marc Maynard, sócio da empresa de software Excelian, que está a auxiliar projetos de tecnologia MiFID II. Conforme explicou, “existem tantas notícias de última hora na MiFID II que todos [os bancos] estão atrasados”.

O processo de digitalização e de adaptação à nova diretiva europeia MiFID II, que entra em vigor em janeiro, pode custar pelo menos 2.500 milhões de euros, segundo cálculos do Cecabank. Além da adaptação, os novos requisitos relativos a instrumentos financeiros também deverão aumentar os custos para as instituições financeiras da zona euro.

O diretor de serviços associativos, auditorias e recursos do Cecabank, Antonio Romero, explicou em entrevista ao jornal espanhol “Expansíon” que o valor poderá mesmo ser “mais elevado” já que o processo de digitalização das entidades será “muito importante” para cumprir a diretiva.

Relacionadas

Bancos europeus vão operar normalmente após Brexit, esclarece Banco de Inglaterra

O Banco de Inglaterra confirmou hoje que os bancos europeus podem operar no Reino Unido com as normas vigentes agora, uma vez consumado o ‘Brexit’, a saída britânica da União Europeia, em março de 2019.
Recomendadas

Montepio aumenta para 1,25 mil milhões a emissão de obrigações hipotecárias que vencem em 2026

Na prática, é um reforço da emissão, mas em concreto o banco liderado por Pedro Leitão anuncia a ficha de uma nova emissão de 750 milhões de euros que são fungíveis com os 500 milhões já emitidos, pelo que no final a emissão total sobe para 1.250 milhões de euros.

“Falar Direito”. “Diploma da renegociação cria ónus sobre bancos que têm crédito à habitação”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica quais são, na sua perspetiva, os dois principais problemas associados ao novo diploma relativo à renegociação de créditos.

Renegociação de créditos: o que muda com a nova lei? Ouça o “Falar Direito”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica o que muda para consumidores e banca com a entrada em vigor do novo diploma relativo à renegociação de créditos.
Comentários