Banif. Buraco pode ser “demasiado grande”, alerta César das Neves

“É possível que tenhamos de pedir ajuda internacional”, adverte o economista


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O economista João César das Neves admitiu a possibilidade de Portugal ter de pedir um resgate financeiro à banca, considerando que o buraco que envolve o Banif pode ser “demasiado grande” para o sistema português.

“É possível que tenhamos de pedir ajuda internacional (…), porque os números que estão a ser falados começam a ser muito grandes para o sistema português”, disse César das Neves quando questionado pelos jornalistas sobre os impactos de uma eventual resolução do Banif nas contas públicas.

O professor da Universidade Católica, que falava à margem de uma conferência de homenagem ao economista José Silva Lopes, organizada pelo Banco de Portugal e que decorre em Lisboa, lembrou o resgate pedido por Espanha em 2012, de ajuda financeira aos bancos espanhóis.

“É uma possibilidade que tem de estar em cima da mesa” em Portugal, admitiu César das Neves, afirmando que, nesse caso, os impactos serão inicialmente suportados pelo conjunto dos “contribuintes europeus, para já”.

O economista disse também que “é provável” que haja “outra vez” custos para os contribuintes portugueses, uma vez que o Banif foi intervencionado pelo Estado no final de 2012, tendo recebido 1.100 milhões de euros de dinheiro público.

OJE

Recomendadas

Empresa espanhola de armamento recebeu carta semelhante à que explodiu na embaixada da Ucrânia

Uma empresa espanhola de armamento recebeu um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu.

Atualização do IAS aumenta valor máximo do subsídio de desemprego em 93 euros

O valor máximo do subsídio de desemprego vai subir mais do que o previsto avançando 93 euros, para 1.201,08 euros, refletindo o aumento de 8,4% do Indexante de Apoios Sociais (IAS) em 2023.

Afinal, pensões mais baixas vão subir 4,83% em janeiro

Pensões até 961 euros vão ter aumento de 4,83%, pensões entre 961 euros e 2.883 euros vão subir 4,49% e pensões acima de 2.883 euros vão crescer 3,89%. Correção das atualização vai custar 110 milhões de euros, aos quais se somam os 1.155 milhões de euros já previstos.