Bankinter alia-se à gestora Edmond de Rothschild para lançar um fundo que investe no metaverso

O Bankinter torna-se o primeiro banco em Portugal a lançar um fundo de investimento centrado na indústria que desenvolverá o metaverso.

O Bankinter anunciou uma parceria com a Edmond de Rothschild AM, a gestora de ativos francesa, para criar e gerir o novo fundo de investimento que se lança exclusivamente para os clientes do banco. Trata-se de um fundo global e multissetorial, com a finalidade de satisfazer a procura dos investidores perante a nova revolução tecnológica que o metaverso irá implicar.

O fundo centra-se nos ativos que vão além do puramente tecnológico e imediato desta nova dimensão, para investir em títulos de setores com potencial de médio prazo, refere o Bankinter em comunicado.

O fundo de investimento é desenhado para todo o tipo de investidores, uma vez que admite aplicações a partir de cem euros.

Este fundo para clientes do banco tem como objetivo “oferecer um produto inovador que desperte o interesse de muitos investidores da banca privada”.

Apesar disso, “o banco tem querido expandir este universo potencial e abri-lo a todos os investidores, democratizando o seu acesso ao fundo, uma vez que pode ser contratado a partir de 100 euros”.

“O Bankinter aproxima o metaverso dos investidores e torna-se o primeiro banco em Portugal a lançar um fundo focado neste domínio que os especialistas estimam que irá desencadear uma revolução mais importante do que aquela que a Internet já representava há mais de 30 anos”, anuncia o comunicado.

O fluxo económico estimado pela Edmond de Rothschild AM, com base em relatórios sobre a indústria do metaverso, como o ReportLinker, é que esta chegue a movimentar um volume de negócios global de 759 mil milhões de dólares em 2026, face aos 107 mil milhões registados em 2020.

A estimativa de alguns especialistas é que a dimensão deste novo mercado cresça 867% no período 2021-2024.

O fundo concentra o investimento em empresas, tanto tecnológicas como de outros setores, no horizonte de médio prazo, com o objetivo de maximizar as possibilidades de retorno dos títulos em que investe. “Desta forma, o fundo propõe aos investidores um horizonte mínimo de investimento de cinco anos. É um produto global, porque investe sem qualquer restrição geográfica, e multissetorial”, explica o banco.

O metaverso combina realidade virtual e aumentada com experiência real e vai mudar a forma de consumo em muitos sectores.

“Neste momento, está a iniciar a sua fase de crescimento, razão pela qual os especialistas recomendam antecipar investimentos, para poder aproveitar o potencial de rentabilidade dos valores setoriais que serão influentes no metaverso”, acrescenta o comunicado.

Quanto aos setores em que irá investir, “para simplificar o vasto leque de áreas que serão decisivas no metaverso, a Edmond de Rothschild AM investe em 3 grupos temáticos que dão acesso a toda a cadeia de valor que oferece e oferecerá o metaverso”. O primeiro é “interface humano” que inclui as empresas cuja tecnologia será indispensável para poder aceder ao metaverso, por exemplo, dispositivos de realidade virtual e aumentada (como capacetes), metaplataformas ou equipamentos inteligentes. Entre os títulos que estão no portefólio do fundo estão a Sony, Nvidia, Microsoft, TSMC ou Apple.

O segundo grupo temático é “infraestrutura”, o que inclui empresas que desenvolvem tecnologias que permitem a conectividade, como Wifi, cloud ou centros de dados. Exemplos de títulos de carteira são Akamai, Verizon ou OVH.

Depois surgem “as experiências e novos casos de uso”. Este âmbito compreenderia empresas que ofereçam ferramentas de software e financiamento, seguros cibernéticos, videojogos, ferramentas de design, motores de mapeamento geoespacial 3D, gamificação, bens de consumo de luxo, entre outros.

“Um exemplo de valor é o gigante de luxo, LVMH, mas também Alphabet ou, noutro setor completamente diferente, como o dos seguros, Axa”, refere o banco.

Este fundo torna-se um dos primeiros na Europa a investir no metaverso. “Para a sua gestão, conta com uma equipa de investimento da Edmond de Rothschild que tem uma média de 13 anos de experiência tecnológica e financeira, apoiada, por sua vez, por especialistas temáticos que identificam oportunidades em toda a cadeia de valor do metaverso”, diz o Bankinter.

“Esta equipa distingue-se por estar entre as primeiras a desenvolver investimentos relacionados com a realidade virtual, realidade aumentada e todas as tecnologias que tornarão possível o metaverso. Aplicam também uma abordagem flexível, com a seleção dinâmica de stock a dar o maior contributo para o retorno da carteira”, conclui.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários