Bankinter é mecenas da exposição “Faraós Superstars” na Fundação Gulbenkian

A exposição “Faraós Superstars” pretende fazer uma reflexão sobre a popularidade dos faraós, reunindo 250 peças de importantes coleções europeias, provenientes de diferentes períodos históricos, desde antiguidades egípcias, passando pelas iluminuras medievais e pintura clássica até à música pop.

1. Amenófis III

O Bankinter é o mecenas da exposição “Faraós Superstars”, organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian que está patente na Galeria Principal do Edifício Sede, em Lisboa, entre 25 de novembro de 2022 e 6 de março de 2023.

Esta é a terceira exposição que o Bankinter apoia no âmbito da colaboração que mantém com a Fundação Calouste Gulbenkian. Anteriormente, o banco foi mecenas das exposições “Cérebro mais vasto que o céu”, em 2019, e “Hergé”, em 2021, entre outras iniciativas.

Para Alberto Ramos, country manager do Bankinter Portugal, “o apoio à cultura faz parte da estratégia do Bankinter e permite aproximar o banco das pessoas e reforçar o seu contributo para uma sociedade mais desenvolvida, informada e inclusiva. Temos como objetivo apoiar as famílias e as empresas e, ao promovermos a cultura, estamos a concretizar essa missão”.

Além da colaboração que mantém com a Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito da promoção da cultura, o Bankinter é membro fundador da Fundação de Serralves, “associando-se a esta instituição para dinamizar e estimular o interesse e o conhecimento de públicos de diferentes origens e idades pela arte contemporânea, pela arquitetura, pela paisagem e por temas críticos para a sociedade e o seu futuro”.

A exposição “Faraós Superstars” pretende fazer uma reflexão sobre a popularidade dos faraós, reunindo 250 peças de importantes coleções europeias, provenientes de diferentes períodos históricos, desde antiguidades egípcias, passando pelas iluminuras medievais e pintura clássica até à música pop.

Recomendadas

Montepio aumenta para 1,25 mil milhões a emissão de obrigações hipotecárias que vencem em 2026

Na prática, é um reforço da emissão, mas em concreto o banco liderado por Pedro Leitão anuncia a ficha de uma nova emissão de 750 milhões de euros que são fungíveis com os 500 milhões já emitidos, pelo que no final a emissão total sobe para 1.250 milhões de euros.

“Falar Direito”. “Diploma da renegociação cria ónus sobre bancos que têm crédito à habitação”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica quais são, na sua perspetiva, os dois principais problemas associados ao novo diploma relativo à renegociação de créditos.

Renegociação de créditos: o que muda com a nova lei? Ouça o “Falar Direito”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica o que muda para consumidores e banca com a entrada em vigor do novo diploma relativo à renegociação de créditos.
Comentários