Banqueiros favoráveis à existência de um banco público

Os banqueiros são favoráveis à existência de um banco público de matriz 100% portuguesa e defendem uma gestão independente à frente dos destinos da Caixa.

Cristina Bernardo

Nuno Amado defende que “Portugal deve ter uma banca o mais diversificada possível”. Num momento em que a larga maioria do capital dos bancos portugueses se encontra já em mãos de investidores internacionais, o responsável do BCP declarou apoio “à existência de uma banca de base portuguesa”.

“No passado tinha dúvidas sobre a necessidade da existência de uma Caixa Geral de Depósito 100% portuguesa. Tinha dúvidas sobre as suas funções. Hoje, sou favorável a Uma CGD nossa mas há que definir bem as suas funções e objetivos e a sua gestão tem de ser independente”, acrescentou o responsável do BCP, que falava hoje no Forum Banca, organizado pelo Jornal Económico e pela PwC.

Também António Ramalho olha com naturalidade para a diversificação das estruturas accionistas dos bancos nacionais, salientando que “é natural que um país como Portugal, com o seu histórico, seja olhado por múltiplas geografias como oportunidade de investimento”. Para este responsável, mais importante do que a questão das nacionalidades é a discussão sobre a governação das instituições, ainda mais quando no passado recente “existiram instituições históricos que tiveram resultados que não deviam ter tido”, nota o presidente do Novo Banco, a instituição que deu lugar ao antigo BES. “Esse sim é um discurso sério e devia ser reflectido em Portugal. Não me parece que o grande problema seja a reflexão sobre a estrutura acionista”, afirmou António Ramalho.

Já Vieira Monteiro afirma que “todos os bancos portugueses”, uma vez que operam no país com base nos seus pressupostos legais. “O que é necessário é que estes investidores estejam dispostos a cumprir as leis do mercado português, os princípios culturais, éticos e sociais do país”. Já em relação à CGD, o presidente do Santander Totta afirma a necessidade de definir as funções do banco público e diz mesmo que o banco do Estado deve ser a referência do mercado, “deve ser a nossa direção”.

Para o número um do Banco CTT, ” a diversificação é absolutamente essencial”. “Entendo mais a lógica de ser um banco português do que ser um banco público. Não percebo em que é que isso o diferenciou nos últimos anos”, adianta Luís Pereira Coutinho.

 

Recomendadas

Euribor volta a subir para novo máximo a seis meses e cai a três e a 12 meses

As taxas Euribor desceram hoje, pela primeira vez desde 09 de setembro, a três e a 12 meses, e voltaram a subir a seis meses, para um novo máximo desde janeiro de 2009.

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.

Tribunal de Contas não afasta cenário de novas injeções de capital no Novobanco

O juiz conselheiro relator do relatório da auditoria do Tribunal de Contas à gestão do Novobanco, José Quelhas, referiu hoje que não está afastado o cenário de novas injeções de dinheiro público no ex-BES.
Comentários