Barclays prevê recessão na zona euro no quarto trimestre

O banco inglês prevê uma recessão técnica ligeira na Europa do euro no quarto trimestre de 2022 e no primeiro trimestre de 2023.

Toby Melville/Reuters

Embora o ímpeto do pós-pandemia da economia da zona euro  – incluindo a recuperação do turismo no Verão e a grande acumulação de encomendas em muitas indústrias – deva favorecer o crescimento no segundo e terceiro trimestres, a situação deve deteriorar-se no quarto trimestre, diz o Barclays numa nota de research citada pela BA&N Unit Research.

O banco britânico vê assim a economia da zona euro entrar em recessão no quarto trimestre. Nos Estados Unidos, o crescimento deverá abrandar para 1,1% no próximo ano, com a economia “prestes a enfrentar uma Fed que parece comprometida em subir os juros bem acima do nível neutral”.

Para o Barclays, “o colapso nas vendas de casas novas é um prenúncio do que aí vem”.

Citados numa notícia da agência Dow Jones, os economistas do Barclays esperam que o consumo contraia na viragem do ano, com os consumidores europeus a sentirem a queda do rendimento real e com a procura externa a ser fraca. O banco inglês prevê uma recessão técnica ligeira na Europa do euro no 4º trimestre de 2022 e no 1º trimestre de 2023. Isto implica um crescimento anual de 2,8% em 2022, mas de apenas 0,5% em 2023 para a zona euro, bastante abaixo da previsão do consenso de 2,1% para 2023, que também é a projeção do Banco Central Europeu.

O Barclays reviu também em baixa as suas estimativas para a economia global, antecipando agora que o crescimento das economias desenvolvidas vai baixar para apenas 1% em 2023.

 

Recomendadas

“Não me choca que haja ajustamentos salariais que acompanhem a inflação”, diz Teixeira dos Santos

Na atual conjuntura, Teixeira dos Santos diz o Estado não pode corrigir o comportamento dos mercados. Sobre os salários, diz que não vê perigo em eventuais ajustamentos em linha com a inflação.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

NATO. Stoltenberg responsabiliza Putin pela crise alimentar global

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, responsabilizou esta quinta-feira a Rússia pela crise alimentar global por ter invadido a Ucrânia e assegurou o empenho dos aliados em encontrar soluções para retomar a exportação de cereais ucranianos.
Comentários