Bastonário dos advogados exige intervenção do Estado face a casos de escravatura no Alentejo

O bastonário da Ordem dos Advogados (OA) apelou às autoridades para uma maior intervenção na repressão e prevenção de situações de escravatura, como aquela que levou hoje a Polícia Judiciária (PJ) a fazer 35 detenções no Alentejo.

Em declarações à Lusa, Menezes Leitão sublinhou não ter ficado surpreendido com esta operação, ao notar que a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados (CDHOA) já tinha identificado “situações gravíssimas de exploração de trabalhadores migrantes” desde que foi conhecido em 2021 o caso de Odemira, onde muitos cidadãos estrangeiros viviam e trabalhavam em condições miseráveis.

“É muito importante que o Estado intervenha, não apenas ao nível da repressão policial, mas a nível preventivo para evitar que estas coisas aconteçam. Achamos que o Estado tem falhado muito, porque o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras [SEF] foi extinto, ainda não se sabe o que existe em termos de coordenação policial relativamente a estas situações de imigração e ainda temos o caso de o próprio Estado ter permitido estes complexos agrícolas”, afirmou.

Denunciando uma “situação muito grave em termos de direitos humanos” e o seu agravamento nos últimos tempos, o bastonário dos advogados garantiu que a CDHOA tem prestado assistência jurídica às vítimas e criticou o plano de extinção do SEF sem uma definição clara e atempada das questões de acolhimento dos migrantes.

“Teriam de ter imediatamente uma solução alternativa: não era decretar a extinção e deixar todo este processo sem fiscalização. Isso parece pior do que existia anteriormente. Aquilo a que estamos a assistir neste momento é um descontrolo muito grande no quadro do controlo dos fluxos migratórios, onde acontecem casos de tráfico humano. Necessitaríamos de ter maior intervenção do Estado neste âmbito”, defendeu.

Num momento em que a questão dos direitos humanos tem estado na ordem do dia, fruto da realização do Mundial de futebol no Qatar, o que tem suscitado protestos em diversos países, Menezes Leitão vincou que a situação não é comparável com aquela que se vive em Portugal, mas admitiu que o país deve também “pôr a mão na consciência” perante estes casos de escravatura de trabalhadores migrantes.

“O Mundial não devia ser usado para branquear este tipo de regimes”, referiu, acrescentando: “Em qualquer caso, não estamos isentos disto e devemos dar um exemplo ao mundo. Receio que este tipo de notícias nos coloque uma péssima imagem em termos internacionais e acabe por embaraçar a imagem de Portugal. Estas coisas não podem acontecer no nosso país”.

A PJ fez hoje 65 buscas domiciliárias e não domiciliárias e deteve 35 pessoas pertencentes a uma rede criminosa que contratava trabalhadores estrangeiros para agricultura no Baixo Alentejo, confirmou à Lusa fonte policial. Segundo a mesma fonte, esta rede era formada por estrangeiros, nomeadamente famílias romenas, e alguns portugueses que lhes davam apoio.

Recomendadas

Alteração da proposta de OE para 2023 em sede de tributação de criptoativos (IRS): algumas notas

Em termos globais, tudo indica que passamos de uma proposta altamente abrangente para uma proposta altamente competitiva que parece apresentar as condições necessárias para manter Portugal na lista de países considerados ‘crypto-friendly’.

Datalex prevê levar software para advogados a Espanha e Brasil no próximo ano

O diretor da startup portuguesa Datalex disse ao Jornal Económico que a internacionalização passará por parcerias estratégicas. A empresa de tecnologia para juristas renovou recentemente a imagem de marca para apostar noutros mercados e prevê fechar 2022 com uma subida de até 62% na faturação.

Filipe de Vasconcelos Fernandes recebe Prémio António Barbosa de Melo de Estudos Parlamentares 2022 (com áudio)

Prémio é entregue esta segunda-feira, 5 de dezembro, na Universidade de Coimbra, a Filipe de Vasconcelos Fernandes, professor na Faculdade de Direito de Lisboa e advogado na VdA.
Comentários