Bastonário dos médicos diz que Governo ignorou sinais ao desacelerar vacinação

Miguel Guimarães recordou à Lusa que já havia alertado, “há um mês”, para a necessidade de “acelerar o processo de vacinação, porque o processo de vacinação, basicamente, estava parado”.

O bastonário da Ordem dos Médicos considera que a vacinação em Portugal “teve uma quebra brutal em termos de velocidade” e que o Governo ignorou os sinais de alerta ao desacelerar o processo.

Miguel Guimarães recordou à Lusa que já havia alertado, “há um mês”, para a necessidade de “acelerar o processo de vacinação, porque o processo de vacinação, basicamente, estava parado”.

Ora, sabendo-se que as principais vacinas, “a partir do terceiro, quarto mês, começam a não ter a mesma eficácia, a eficácia começa a reduzir-se substancialmente, ao sexto mês a eficácia já fica às vezes abaixo de 50 por cento”, o bastonário não compreende a desaceleração do processo.

Acrescentando o facto de se estar a entrar no outono/inverno, “altura crítica para o país”, diz mesmo que era “óbvio” que “era preciso acelerar processos” e não se podia “fazer o contrário e desacelerar”.

Atualmente, na terceira dose da vacinação, Portugal já não está “no topo a nível da Europa nem a nível mundial, porque houve uma desaceleração”, aponta o bastonário, reconhecendo que o Governo foi analisar os dados, entretanto, e percebeu que tinha de acelerar o processo.

“O facto de termos tido 86% das pessoas vacinadas (…) não nos garantia que estávamos todos protegidos ‘ad eternum’”, notou, realçando que já se sabia isto quando o vice-almirante Gouveia e Melo saiu da coordenação do processo de vacinação, em final de setembro. “Nós já sabíamos que as vacinas não duravam sempre”, repetiu.

Miguel Guimarães deu o exemplo dos profissionais de saúde, que “começaram a ser vacinados [de novo] 10 meses depois de terem sido vacinados [com o primeiro ciclo]”.

Mas não se trata apenas dos profissionais de saúde. “As pessoas que tinham feito a segunda dose da vacina (…) já o tinham feito, na altura, quando eu falei, há nove meses, e a imensa maioria das pessoas que tinham feito isto não tinha sido ainda vacinada”, refere.

Simultaneamente, o bastonário faz uma “chamada de atenção fundamental” sobre as prioridades na vacinação.

“É mais importante vacinar as pessoas com mais de 65 anos [cerca de 300 mil] e depois as pessoas com mais de 50, [que] são muito mais prioritárias do que, por exemplo, as crianças”, distingue.

“Nem é comparável. A prioridade, desde sempre, e mantém-se (…), não foi alterada: é pelas idades. De facto, a mortalidade ou letalidade e a gravidade da doença são muito maiores nas pessoas mais velhas do que nas pessoas mais novas”, destacou.

Reconhecendo que os portugueses estão “bastante protegidos”, porque “a vacina diminui a letalidade pelo menos cinco vezes”, o bastonário realçou que as “muitas pessoas que também estão a ter doença grave e que estão vacinadas (…) já foram vacinadas há mais de seis meses”. Daí ser “fundamental” ter isso em conta nas medidas a adotar.

“A medida principal continua a ser duas: a vacina e a máscara”, resume.

“A variante Ómicron não passa a máscara. (…) Ela pode ser mais resistente à vacina, mas (…) a dificuldade que tem de passar a máscara é igual à Delta e às outras variantes todas e aos outros vírus todos”, assinala.

As medidas de contenção aprovadas pelo Governo para esta altura são “globalmente acertadas”, avalia o bastonário, excetuando “pequenos pormenores”.

Um deles diz respeito aos transportes públicos. “Não posso ter num autocarro ou num metro as pessoas encostadas umas às outras, em que não há um centímetro de distância”, contestou.

Recomendadas

Covid-19: Principal órgão de segurança da China quer “repressão” das “forças hostis”

O principal órgão de segurança da China apelou hoje à “repressão” das “forças hostis”, após os protestos dos últimos dias nas principais cidades chinesas contra as restrições sanitárias e limitações das liberdades individuais.

Covid-19: Universidades chinesas mandam estudantes para casa

Universidades chinesas estão a enviar estudantes para casa para tentar evitar mais manifestações de protesto contra as restrições anticovid, numa altura em que muitas cidades estão a pedir aos residentes que evitem viajar.

Narrativa triunfal de Pequim sobre ‘zero covid’ confrontada com protestos

Após ter passado dois anos a cultivar uma narrativa triunfal quanto à estratégia ‘zero covid’, apesar dos custos económicos e sociais inerentes, a liderança chinesa parece estar encurralada face aos novos protestos da população.
Comentários