PremiumBayer escolhe startup de Óbidos para inovar na saúde digital

Hopecare venceu a sétima edição do concurso STEM4Health e quer chegar ao mercado alemão com a ajuda do grupo farmacêutico. Diretor da Bayer em Portugal diz ao JE que a empresa tem “potencial”.

A farmacêutica alemã Bayer vai, durante os próximos oito a doze meses, trabalhar lado-a-lado com os fundadores da Hopecare, uma startup de Óbidos que desenvolveu uma plataforma digital que permite aos profissionais de saúde darem assistência e fazerem triagem clínica e monitorização de sinais vitais de doentes crónicos.

A empresa portuguesa receberá mentoria e ficará no radar do grupo para um investimento, depois de ter vencido a sétima edição do concurso de inovação e empreendedorismo em saúde digital STEM4Health, que terminou na semana passada com um encontro entre entusiastas por telehospitais, em Carnaxide. E foi no meio dos “healthtechers” que o Jornal Económico (JE) encontrou o managing director da Bayer em Portugal, a quem admitiu que “Portugal é um mercado que cresce muito rápido”. “A Bayer quer ter uma parcela significativa deste mercado, sendo que 1% ou 2% já é bastante. Vejo que há um ecossistema de empreendedorismo forte e um sistema bastante aberto para acolher a saúde digital”, disse Marco Dietrich.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Afinal, que soluções existem para as empresas?

O Banco Português de Fomento lançou no início do ano os dois primeiros programas para apoiar a solvabilidade do tecido empresarial português. A banca está focada em aconselhar e montar as operações.

Presidente da Ryanair antecipa subida de preços nas ‘low-cost’

Michael O’Leary diz que o preço médio por bilhete deverá subir entre 10 a 20 euros nas viagens low-cost, que estão a tornar-se, segundo o mesmo, “demasiado baratas”.

Candidaturas selecionadas para o Consolidar conhecidas em julho

Os programas Recapitalização Estratégica e Consolidar têm gerado grande interesse, diz a presidente da comissão executiva do Banco Português de Fomento, Beatriz Freitas, ao Jornal Económico.
Comentários