BCE vê recessão de 2,2% no quarto trimestre e “recuperação marginal” no arranque de 2021

O ‘staff’ do Banco Central Europeu atualizou esta quinta-feira as projeções económicas até 2023 e está menos pessimista em relação à quebra do crescimento do PIB da zona euro para este ano, mas antecipa uma recuperação mais lenta da economia em 2021. Inflação continua sob pressão e taxa de desemprego foi revista em baixa.

O Banco Central Europeu (BCE) atualizou esta quinta-feira as projeções macroeconómicas da zona euro e antecipa agora uma menor recessão para este ano, mas seguida de um ritmo menos acelerado da recuperação económica, que deverá ter início em 2021.

Para 2020, “é esperado que o PIB real contraia 2,2% no quarto trimestre e que recupere apenas de forma marginal no primeiro trimestre de 2021”, aponta o staff do BCE numa nota que acompanha as novas projeções económicas.

Comparando com as projeções de setembro, o BCE antecipa agora uma recessão menos acentuada nos três cenários com que costuma balizar a política monetária. No cenário base, a recessão foi revista em baixa, esperando-se agora uma quebra do crescimento económico de 7,3%, menos sete pontos base por comparação com as projeções de setembro. No cenário moderado, a recessão será de 7,2%, em linha com as projeções anteriores e, no cenário severo, a recessão é de 7,6%, manifestamente abaixo do que tinha sido previsto em setembro, que apontava uma queda do PIB da zona euro de 10%.

Para 2021, o BCE antecipa uma recuperação da economia da zona euro menos acentuada no cenário base atualizado, projetando uma expansão de 3,9%, abaixo de uma recuperação de 6% prevista em setembro. No cenário moderado, a atividade económica deverá retomar de forma menos acelerada, estimando-se agora uma recuperação de 6%, face aos 8,9% das projeções anteriores. E, no cenário severo, o BCE não alterou muito as previsões, antecipando uma ligeira recuperação de 0,4%, um ponto base abaixo das projeções de setembro.

Para o ano seguinte, as novas projeções do BCE são mais otimistas em relação às projeções anteriores, estimando agora uma recuperação de 4,2% no cenário base, de 4,3% no cenário moderado e de 3% no cenário severo. Para 2022, a recuperação da economia agora antecipada é bastante superior ao que tinha sido previsto em setembro, à exceção do cenário mais adverso.

As novas projeções vão até 2023 — as anteriores acabavam em 2022. O staff do BCE antecipa um rescimento do PIB da zona euro de 2,1% em 2023 nos cenários base e moderado, e de 2,9% no cenário adverso.

Inflação continua sob pressão

Até 2023, o BCE não deverá conseguir executar o seu mandato de estabilidade de preços, que visa colocar a taxa de inflação perto, mais abaixo dos 2%.

No cenário base, o BCE antecipa para este ano uma taxa de inflação de 0,2%, seguindo-se uma subida para 1% em 2021, 1,1% no ano seguinte e 1,4% em 2022.

No cenário moderado, a taxa de inflação em 2023 deverá permanecer abaixo dos 2%, fixando-se nos 1,5%, o que é a taxa de inflação mais elevada projetada atualmente.

No extremo oposto, no cenário mais adverso, a taxa de inflação não supera os 1% entre 2020 e 2023, partindo de 0,2% e subindo gradualmente até 0,8%.

BCE mais otimista em relação ao emprego

A taxa de desemprego deverá atingir os 8% na zona euro de acordo com o cenário base das novas projeções económicas. Comparando com as projeções de setembro, trata-se de uma melhoria de cinco pontos base.

Até 2023, no mesmo cenário, o BCE está mais otimista agora do que estava em setembro no que diz respeito a este indicador. Assim, no próximo ano, a taxa de desemprego deverá subir para 9,3% (contra 9,5% em setembro), baixando depois para 8,2% em 2022 (contra 8,8% em setembro) e fixando-se em 7,5% em 2023.

Relacionadas

Lagarde e a extensão das compras: “Somos economistas, mas estamos atentos às previsões sobre a saúde”

A presidente do BCE explicou que a extensão de nove meses para o programa de emergência de compra de ativos, até março de 2022, foi decidida em alinhamento com a visão do banco central para o ‘timing’ de quando a “recuperação da economia da zona euro estará a criar raízes”.

BCE prolonga empréstimos de longo prazo à banca até junho de 2022

Processo de recalibragem dos instrumentos de política monetária para atacar a crise envolveu a extensão dos empréstimos de longo prazo para a banca até junho de 2022.
Forum BCE 2020 — Christine Lagarde

BCE aumenta ‘bazuca’ de emergência em 500 mil milhões e prolonga até março de 2022

O Banco Central Europeu ‘recalibrou’ os instrumentos da política monetária. O Programa de Compra de Emergência Pandémica passa a ter um ‘envelope’ de 1,85 biliões de euros e dura agora até março de 2022, numa extensão de nove meses. Empréstimos à banca também foram prolongados, enquanto o programa convencional de compra de ativos e as taxas de juro ficaram inalterados.
Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários