PremiumBCE compensa fim do PEPP com reforço do programa regular

O Banco Central Europeu (BCE) vai terminar com o programa pandémico de compra de dívida em março de 2022, mas prolonga reinvestimento e admite que compras podem voltar “se necessário”. Para conter o impacto, o programa de compra de ativos tradicional é reforçado.

Flexibilidade parece ser a nova palavra de ordem no Banco Central Europeu (BCE). Primeiro, com a meta de inflação, agora com os estímulos monetários. Foi sem grandes surpresas que a instituição presidida por Christine Lagarde anunciou esta quinta-feira um reforço do programa de compra de ativos tradicional para compensar o fim do programa de ativos de emergência, previsto para março do próximo ano. Para não provocar instabilidade nos mercados, o banco central irá também prolongar o horizonte de reinvestimento do Programa de Compra de Emergência Pandémica (PEPP) até, pelo menos, ao final de 2024, mas sinaliza flexibilidade se necessário.

Há meses que analistas apontavam para a reunião de dezembro do BCE a divulgação de mais detalhes sobre o fim do programa de 1,85 biliões de euros implementado para enfrentar a pandemia. Os governadores dos bancos centrais da moeda única decidiram, assim, que no primeiro trimestre de 2022 se irão realizar compras de ativos líquidos no âmbito do Programa de Compra de Emergência Pandémica (PEPP) a um ritmo mais lento do que no trimestre anterior.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Comunidades pedem a António Costa que resolva “discriminação” de pensionistas

O Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE) endereçou hoje uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar a atualização das pensões e reformas para evitar perdas do valor futuro das pensões e reformas dos portugueses no estrangeiro.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Câmara de Grândola aprova nova descida do IMI e alargamento do IMI familiar

A Câmara Municipal de Grândola aprovou, na passada quinta-feira, as propostas de redução do IMI de 0,34% para 0,33%, e de alargamento do IMI familiar para famílias com um dependente. Reduções que são para vigorarem em 2023.
Comentários